Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Luiz Cesta: A lição do pré-sal

Opinião - 08/11/2019 - 16:39
Se olharmos para a metade cheia do copo, podemos concluir que a Petrobras garantiu participação no maior campo do leilão, ao mesmo tempo em que restringiu ofertas a outros dois campos (Imagem: Pixabay)

Por Luiz Cesta, da Inversa

Olá, leitor Cesta & Fundos!

Na última quarta-feira, acompanhei com muita empolgação o evento mais importante da semana: o leilão do excedente de petróleo dos campos da cessão onerosa.

Não sabe do que estou falando? Sem entrar muito em detalhes, quatro campos de exploração petrolífera do pré-sal foram leiloados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), o que poderia render mais de R$ 100 bilhões para os cofres públicos. Fiquei atento a dois movimentos para comentar aqui:

1 – Como a Petrobras se comportaria;
2 – Qual seria a participação do investidor gringo nas ofertas.

Em relação ao primeiro tópico, é preciso escolher se olhamos para o copo meio cheio ou meio vazio.

Se olharmos para a metade cheia do copo, podemos concluir que a Petrobras garantiu participação no maior campo do leilão, ao mesmo tempo em que restringiu ofertas a outros dois campos, mostrando disciplina de capital.

Do lado meio vazio, a participação no maior campo arrematado será de 90%, o que significa menor capacidade de desalavancagem no médio prazo.

+ Um dos maiores gestores de fundos de investimento alerta que o mundo está indo em direção ao colapso e apenas um ativo pode te proteger. Descubra agora qual é esse ativo invencível.

Já em relação ao segundo tópico, sobre a participação de estrangeiros no certame, a decepção foi total. Os gringos não vieram. Simples assim. Aquela enxurrada de dólares que amassou o câmbio no início da semana foi por água abaixo.

Cá entre nós, sugiro olhar para esse evento como um aprendizado. O mercado estava confiante demais no sucesso do leilão.

Petrobras
Por isso, sugiro que aproximadamente 5% do seu portfólio de fundos esteja em instrumentos que visem a proteger de eventos inesperados (Imagem: Reuters/Sergio Moraes)

No dia do leilão, as ações da Petrobras (PETR4) chegaram a subir 3,5%, mas zeraram a alta após o resultado da licitação do primeiro campo, onde a estatal entrou com a participação de 90% num consórcio com chineses.

Aquela parcela do seu portfólio, que sempre me perguntam se é mesmo necessária, em fundos cambiais e de proteção mostrou todo o seu valor, defendendo a carteira contra a alta repentina do dólar frente o real.

Isso não quer dizer que a tendência para o dólar mudou, pois esta vai depender do caminhar das reformas internas, além de decisões políticas e econômicas no âmbito internacional. Mas quero chamar a atenção que tais instrumentos funcionam nesses momentos.

É certo que se pode pagar um pedágio por carregar esses instrumentos em um momento de economia doméstica pujante. Mas o benefício desse carregamento é lembrado nos momentos em que o “não precificado” torna-se realidade.

Por isso, sugiro que aproximadamente 5% do seu portfólio de fundos esteja em instrumentos que visem a proteger de eventos inesperados. Anos atrás, quando a economia era colocada à prova a todo instante, sugeriria que esse valor fosse até maior, numa faixa entre 10% e 15%.

Se levada em consideração a desaceleração das economias desenvolvidas, além da potencial crise mundial, diria que já faz sentido pensar seriamente em aumentar essa posição para o intervalo acima (10-15%).

Posições em fundos de ouro, frente à recessão mundial, seriam os meus preferidos para funcionar como reserva de valor, muito mais indicado até do que uma posição em fundo cambial.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Diante dos fatos e dos últimos acontecimentos, sugiro que considere com carinho proteger ainda mais sua carteira pois o “não-precificado”, como nesse leilão da cessão onerosa, acontece repentinamente e não dá tempo para agir.

Espero que esse evento sirva de lição para que cada um monte seu portfólio de investimentos com disciplina e cuidado, de modo que desavisos não virem uma grande dor de cabeça.

Até mais!

Última atualização por Vitória Fernandes - 08/11/2019 - 16:39