Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Lideranças do Nordeste discutem derrota imposta por Bolsonaro sobre o etanol importado

Giovanni Lorenzon - 09/09/2019 - 12:40
Etanol de cana no Nordeste sofrerá maior concorrência do etanol dos Estados Unidos (Imagem: Luke Sharrett/Bloomberg)

Logo mais, às 14 hs, as lideranças do setor sucroenergético do Nordeste se reúnem no Recife para discutirem a derrota que o governo Jair Bolsonaro lhe impôs, aumentando a cota livre de impostos para o etanol importado. Quando se esperava o fim da cota livre, ou a manutenção dos 600 milhões de litros, com 20% sobre o que excedesse, a pressão do presidente americano Donald Trump prevaleceu em partes.

Ele queria liberação total, mas ainda assim saiu vitorioso, com os produtores podendo mandar 750 milhões a mais durante os próximos 12 meses, quase todo ele desembarcado no Nordeste – e não apenas durante a entressafra da região.

O governo brasileiro anunciou que negociará o aumento da cota livre de açúcar, que deveria já entrar na negociação desde antes da medida do governo, segundo defendia a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Hoje é 150 mil toneladas, seis vezes menos a cota livre para o etanol que o Brasil proprociona.

É claro que os nordestinos estão com um pé atrás com essa possibilidade, já que perderam na primeira vez e podem perder na segunda.

Afinal, como lembra Alexandre Lima, presidente da nacional Feplana e também a Associação dos Produtores de Cana de Pernambuco (onde ocorrerá a reunião), por suas vez reunindo cooperados na operação de uma usina, dos quase 1 bilhão de litros anuais, o Estados Unidos manda quase tudo.

E segunda, dia 16, no Congresso de Bionergia do Nordeste o tema deverá ser central novamente.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 09/09/2019 - 12:40