Últimas Notícias Cotações Governo Bolsonaro Comprar ou Vender Empresas Economia
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Já é 2018 no Brasil, avalia Rio Bravo

Conrado Mazzoni - 06/11/2017 - 21:03

“2018 começou.” É assim que a gestora de recursos Rio Bravo Investimentos inaugura o relatório referente ao desempenho de seus ativos em outubro. O texto enfatiza os “ventos pró-mercado” na corrida eleitoral como oportunidade de surgimento de novas ideias diante do problema fiscal.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito

“O desmonte dos aumentos de despesa empreendidos pelos governos petistas ainda não ocorreu e talvez requeira um tanto mais de ousadia e criatividade do que é possível ver acontecer no governo de Michel Temer. Tudo se passa como se as reformas necessárias para recompor a saúde fiscal do Estado estivessem logo adiante e muitos já dessem o assunto como fato consumado”, escreve a equipe de gestão.

A incerteza sobre 2018 é uma grande sombra que se projeta sobre as boas notícias da recuperação da atividade, da queda dos juros e acerca das contas externas, afirma o documento da casa fundada pelo ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco. Em setembro, ele anunciou sua desfiliação do PSDB e migração para o Partido Novo.

A carta da Rio Bravo faz um paralelo do pleito do ano que vem com a eleição de 1989: aberta, “com visíveis desejos de mudança e de desafio ao establishment partidário, mas a diferença básica é que a economia está recuperando e a inflação está perfeitamente controlada”. Neste contexto, acrescenta, não está claro se o governo conseguirá usufruir algum dividendo politico disso.

Quanto à gestão de ativos em outubro, a gestora diz que atravessou um mês “desafiador para ativos de risco”. Os fundos multimercados, na maioria, ficaram com desempenho abaixo do CDI (+0,65%) e os fundos de ações acompanharam a volatilidade do Ibovespa – após chegar a subir mais de 3% ao longo do mês, zerou a alta no fim e fechou com variação de 0,02%.

“Apesar do otimismo com o possível fim do ciclo recessivo, fatores incontroláveis oriundos do nosso complexo ambiente político hoje e em 2018 (eleições) pedem moderação.”

Últimas Notícias