Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ivan Sant’Anna: Por que caiu? Por que subiu?

Opinião - 27/06/2019 - 17:38

Por Ivan Sant’Anna, autor das newsletters de investimentos Warm Up Inversa e Os Mercadores da Noite

Caro leitor,

Depois de ter feito a máxima de todos os tempos na segunda-feira, 24 de junho, a 102.617 pontos, no dia seguinte, o Ibovespa sofreu forte queda de 1,93%. Chegou a romper, para baixo, duas ou três vezes, no intraday, o suporte (que antes era resistência) psicológico dos 100.000.

Sempre que o mercado sobe ou desce (e em 99,9% das vezes ele sobe ou desce, mesmo que seja uma merreca – é uma coincidência quase impossível dormir no zero a zero), os comentaristas dos telejornais têm alguma explicação:

“O índice Dow Jones, da Bolsa de Valores de Nova York (é comum eles dizerem), caiu 0,3% por causa das divergências entre Donald Trump e Xi Jinping.”

Por outro lado, dentro dos mesmos fundamentos, se em vez de uma queda de 0,3% o mercado sobe os mesmos 0,3%, os analistas da TV justificam:

“O índice Dow Jones, da Bolsa de Valores de Nova York, subiu 0,3% em virtude do prosseguimento das conversas entre Donald Trump e Xi Jinping visando a um acordo de tarifas que agrade às duas potências.”

Às vezes, sabe-se com certeza o motivo da queda. Como exemplo posso citar o já histórico “Tem que manter isso, viu?” ou a greve dos caminhoneiros, ambos os eventos no governo Michel Temer.

+ Reserva antecipada: deixe seu email para ter em primeira mão as informações da maior imersão de investimentos do país.

Em outras, cada um dá sua interpretação.

Engrossando o cordão dos palpiteiros, acho que a queda de terça-feira se deu em razão do julgamento, por parte da Segunda Turma do STF, da manutenção, ou não, de Lula na prisão em Curitiba.

É só a gente se colocar na posição de um especulador comprado no Ibovespa.

Qualquer que tenha sido seu ponto de entrada, ele estava no lucro quando o mercado estourou para cima na segunda.

Vem o dia seguinte e o cara pensa:

“Pô, o Lula vai ser solto. Se seus julgamentos forem anulados, por alegação de imparcialidade do juiz Sérgio Moro, ele volta à estaca zero. Pode até ser desenquadrado da Lei de Ficha Limpa e se candidatar à presidência em 2022. Sabe duma coisa (o investidor diz para si mesmo), eu vou pular fora.”

Trata-se da tradicional “realização de lucros”.

Pois bem, Lula continuou em cana. Mesmo assim, ontem o mercado de ações andou praticamente de lado, apesar de boas notícias vindas de Brasília dando conta de que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal já têm votos suficientes para aprovar a PEC da Reforma da Previdência.

Última atualização por Vitória Fernandes - 27/06/2019 - 17:38