Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ivan Sant’Anna: Herança trágica da Argentina

Opinião - 13/08/2019 - 14:45

Por Ivan Sant’Anna, autor das newsletters de investimentos Warm Up Inversa e Os Mercadores da Noite

Caro leitor,

Após ficar durante meses antenada na reforma da Previdência, que se encaminha para um desfecho favorável ao mercado, ontem a Bolsa de São Paulo levou um tombaço, influenciada por fundamentos externos.

Continua depois da publicidade

Nas eleições primárias de domingo na Argentina, o candidato kirchnerista, Alberto Fernández, derrotou o presidente Mauricio Macri. A vitória da oposição já era esperada, mas não por uma diferença de 15 pontos, que foi o que ocorreu.

Ao mesmo tempo, houve um agravamento da crise entre China e Hong Kong, fora a deterioração da guerra comercial entre chineses e americanos. Talvez os presidentes Donald Trump e Xi Jinping não mais se encontrem em setembro, como estava previsto.

Por que os fundos imobiliários são a alternativa dos milionários em 2019? Clique aqui e veja mais.

Bombardeado por tantas notícias ruins vindas lá de fora, não havia mesmo como o Ibovespa não sofrer forte desvalorização.

Continua depois da publicidade

Tudo indica que Fernández vencerá Macri nas eleições de outubro. Mas não estou convencido de que, já na Casa Rosada, ele vá manter a política de Néstor e Cristina Kirchner, oportunidade em que a economia desandou, como está desandando agora.

Na Argentina tudo pode acontecer, e acontece. Quem sabe Alberto Fernández, caso eleito, encontre seu Posto Ipiranga e arrume as contas do país.

Renda mensal na conta e mais 24% de retorno em 12 meses com apenas 3 ativos: ações, fundos imobiliários e renda fixa. Veja a estratégia do investidor de renda neste link.

Uma coisa é certa: se voltar à política demagógica e populista dos Kirchner, com o Tesouro sem reservas no exterior, logo os argentinos estarão batendo bumbo nas ruas e bradando alternadamente “viva” e “fuera”, que é o que vêm fazendo há anos, após o fim da ditadura militar.

Continua depois da publicidade

“Viva Alfonsin”, “Fuera Alfonsin”; “Viva Menem”, “Fuera Menem”; “Viva Duhalde”, “Fuera Duhalde”; “Viva Néstor”, “Viva Cristina”, “Fuera Cristina”; “Viva Macri”, “Fuera Macri”…

Houve um presidente peruano, Alan Garcia, que governou duas vezes: de 1985 a 1990, período no qual foi um demagogo populista de esquerda, que por pouco não quebrou o país; e de 2006 a 2011, quando optou por um liberalismo econômico que poderíamos classificar como de direita.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

É verdade que Garcia acabou se suicidando recentemente, oito anos após ter deixado a presidência, na hora em que seria preso por ter recebido propinas da Odebrecht (o que não fez dele uma exceção na Latinoamerica).

Continua depois da publicidade

A queda da Bolsa brasileira ontem não tinha como não acontecer, com Nova York desabando e a Argentina, bem… a Argentina voltando ao seu imbróglio normal, trágica herança de um homem que não morre nunca: Juan Domingo Perón.

O Boletim Focus desta semana prognosticou, para o fim de 2019, Selic a 5% e inflação a 3,76%.

Com esse nível de taxas de juros reais, comprar ações brasileiras para receber dividendos continua sendo a pedida mais sensata. E se elas caírem mais em função do cenário internacional, o retorno será ainda maior.

Um abraço.

Continua depois da publicidade

Última atualização por Vitória Fernandes - 13/08/2019 - 15:16