Últimas Notícias Cotações Governo Bolsonaro Comprar ou Vender Empresas Economia
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Intenção de consumo de famílias cariocas cresce quase 20% em um ano, revela levantamento

Diana Cheng - 06/12/2018 - 16:53

A Intenção de Consumo das Famílias (IFC), elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ) e com levantamento apurado pela CNC, registrou, em novembro, alta de 3,9% frente a outubro, alcançando 75,4 pontos. Na comparação anual, o crescimento foi de 19,7%.

Dos sete itens compostos pela IFC, a perspectiva de consumo futura foi o que mais se destacou, crescendo 16,7% em novembro. 20,1% das famílias cariocas acreditam que a possibilidade de comprar é maior agora do que no mesmo período do ano passado.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O nível de consumo atual cresceu 6,5% no último mês, alcançando 65,1 pontos. Na comparação anual, a alta foi de 26,9%. As famílias que estão comprando a mesma coisa ou mais somam 48,9%.

O item de compras a prazo passou para 78,7 pontos, um aumento de 3,2% em novembro e de 18,9% no comparativo anual. Em relação ao acesso de crédito, as famílias entrevistadas acreditam que está mais fácil atualmente.

A perspectiva profissional também cresceu. Com 83 pontos, a alta em novembro foi de 6,1% frente a outubro. Em relação a novembro de 2017, o percentual subiu para 40,6%. Para a Fecomércio RJ, isso é um indicativo de que as famílias pretendem gastar mais nas compras de fim de ano.

O índice de emprego atual teve melhora de apenas 0,4% no mês de novembro e 4,1% na comparação ano a ano. Ainda assim, é o único item com mais de cem pontos – 101, 2 – o que representa o grau de satisfação dos entrevistados.

Sobre a renda atual, o índice registrou estabilidade, com 90,1 pontos. Porém, em comparação a novembro de 2017, o crescimento foi de 13,8%. 25,6% dos entrevistados responderam estar com a renda melhor do que ano passado.

A compra de bens duráveis foi o único que caiu no mês passado, registrando -2,6%. Apesar disso, o item apresentou alta de 17% no comparativo anual.