Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa recua após recorde, na expectativa de reuniões de política monetária

Reuters - 29/10/2019 - 12:00
Elétrica EDP Brasil valorizava-se 2,76% por volta do meio-dia (Imagem: Reprodução/Facebook EDP)

Após renovar máximas na véspera, o Ibovespa operava no campo negativo na sessão desta terça-feira, perdendo o patamar de 108 mil pontos, com investidores ainda aguardando decisões sobre juros no Brasil e nos Estados Unidos, programadas para quarta-feira.

Às 11h59, o Ibovespa cedia 0,29%, aos 107.5868,08 pontos. O volume financeiro era de 3,013 bilhões de reais.

Na véspera, o índice subiu 0,77%, a 108.187,06 pontos, máxima recorde para um fechamento.

Em sessão com poucas novidades no cenário global, agentes financeiros aguardavam as reuniões do Federal Reserve e do Copom, na expectativa de novos cortes na taxa de juros.

Analistas do BB Investimentos esperam corte de 50 pontos-base na taxa Selic, além de uma “continuidade do ciclo de afrouxamento monetário para pisos históricos ainda menores e da percepção que os juros devem prosseguir baixos por um período prolongado”, segundo nota a clientes.

Juros mais baixos melhoram a atratividade da renda variável, e a queda da Selic a sucessivas mínimas históricas tem sido citada por analistas ao longo deste ano como fator para a alta do Ibovespa.

Nos EUA, o Escritório do Representante de Comércio informou na noite de segunda-feira que estuda estender uma suspensão de cobrança de tarifas sobre 34 bilhões de dólares em produtos chineses prevista para expirar em 28 de dezembro.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A suspensão das tarifas de dezembro podem ser vistas como a próxima grande sinalização de que o mercado precisa para reforçar o otimismo em relação a progressos para resolver o conflito tarifário entre EUA e China, informou a Guide Investimentos em nota.

Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, devem finalizar um acordo durante a cúpula de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec) no próximo mês no Chile, mas a data ainda é flexível, disse uma autoridade da Casa Branca nesta terça-feira.

Destaques

CCR (CCRO3) perdia 1,78%, entre as maiores baixas do índice, após a empresa anunciar na véspera lucro líquido de 340,2 milhões de reais no 3° trimestre, queda de 6,9% ante mesmo período de 2018, abaixo da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de 445,1 milhões de reais.

Itau Unibanco (ITUB4) perdia 1,45%, com o setor bancário como um todo corroborando com a queda do índice. Bradesco (BBDC4) recuava 1,37% e BANCO DO BRASIL ON desvalorizava-se 0,33%.

Vale (VALE3) recuava 0,10%, seguindo tendência negativa dos futuros de minério de ferro.

BRF (BRFS3) avançava 1,01%. A empresa anunciou nesta terça-feira acordo preliminar com a autoridade de investimento da Arábia Saudita, Sagia, para a construção de uma fábrica de produtos processados de frango no país. No setor, Marfrig recuava 0,27%, e JBS cedia 0,28%.

B2W (BTOW3) avançava 1,11%, após chegar a acordo para vender produtos da rede Centauro na plataforma online que controla Americanas.com. O Grupo SBF, dono da Centauro, saltava 1,70%.

EDP (ENBR3) valorizava-se 2,11%, entre as maiores altas do índice, após já ter ganhado 2,49% na sessão da véspera.

Petrobras (PETR3) perdia 0,47%, em linha com a queda dos preços dos contratos futuros do petróleo.

Última atualização por Lucas Simões - 29/10/2019 - 12:14