Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa Futuro opera em alta após trégua comercial e possíveis estímulos da China

11/09/2019 - 9:29
Mercados Ibovespa
Futuro do Ibovespa inicia a sessão desta quarta-feira com valorização de 0,47% (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

Por Investing.com

O índice futuro do Ibovespa inicia a sessão desta quarta-feira com valorização de 0,47% aos 103.960 pontos, enquanto o dólar recua 0,07% a R$ 4,0827. O dia deve ser bastante movimentado, com indicadores com potencial de mexer com os mercados, como os dados das vendas do varejo no cenário local e dos estoques de petróleo nos EUA.

Além disso, o noticiário político traz o adiamento da votação da reforma da Previdência no Senado para a próxima semana, as primeiras informações da reforma tributária proposta pelo governo, além da votação da chamada Lei das Teles, também no Senado.

Cena Local

Vendas do Varejo

As vendas no varejo cresceram 1,0% em julho de 2019 na comparação com o mês anterior (série com ajuste sazonal). É o terceiro resultado positivo seguido nesse tipo de comparação, o que representa um acréscimo de 1,6% no período.

Com esse resultado, o setor varejista recupera o patamar de vendas próximo a junho de 2015, mas ainda se encontra 5,3% abaixo do nível recorde alcançado em outubro de 2014. Com isso, a média móvel do trimestre encerrada em julho (0,5%) mostrou aceleração no ritmo das vendas, quando comparada ao trimestre encerrado em junho (0,1%).

Reforma da Previdência

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nesta terça-feira que a economia estimada com o texto da PEC da reforma da Previdência em análise no Senado é de 876 bilhões de reais.

Marinho referia-se à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma produzida pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, com votação em primeiro turno esperada para a próxima semana.

Marinho avalia economia de R$ 876 bilhões (Imagem: Reuters/Adriano Machado)

O relator da reforma no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), decidiu dividir a proposta em duas PECs. A principal, com as novas regras previdenciárias, é semelhante à aprovada pela Câmara, para evitar que tenha que voltar a Casa para uma nova alteração. Sofreu, no entanto, uma série de supressões, que alteraram a economia de 933,5 bilhões de reais prevista no texto produzido pelos deputados.

Reforma Tributária

O governo quer iniciar a reforma tributária apenas com a proposta de unificação de PIS e Cofins, afirmou nesta terça-feira o secretário especial adjunto da Receita Federal, Marcelo Silva, pontuando que a tributação sobre pagamentos como compensação à desoneração da folha virá num segundo momento.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“A nossa proposta é começar com uma reforma do PIS e Cofins. Basicamente vai ser uma alíquota em torno de 11%”, afirmou ele a jornalistas, após participar de Fórum Nacional Tributário.

Silva explicou que essa unificação poderá ser feita via lei ordinária, inaugurando um modelo de Imposto sobre Valor Agregado (IVA) federal com possibilidade de estar em vigor em “meados do primeiro trimestre do ano que vem”.

Cena Externa

Guerra Comercial

A China anunciou seu primeiro lote de isenções tarifárias para 16 tipos de produtos dos Estados Unidos, dias antes de uma reunião planejada entre negociadores comerciais dos dois países para tentar diminuir a escalada de suas tarifas.

As isenções se aplicarão aos produtos norte-americanos, incluindo alguns medicamentos e lubrificantes anticâncer, bem como aos ingredientes de ração animal, soro de leite e farinha de peixe, disse o Ministério das Finanças em comunicado em seu site nesta quarta-feira.

Pequim informou em maio que iniciaria um programa de isenção, em meio a crescentes preocupações com o custo da prolongada guerra comercial em sua economia que já está desacelerando.

Juros nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que o Federal Reserve deveria reduzir as taxas de juros dos EUA para “zero ou menos” para ajudar a “refinanciar nossa dívida” com custos de juros mais baixos e um prazo mais longo e culpou o chairman do banco central dos EUA por perder “uma oportunidade única na vida”.

“Os EUA sempre deveriam pagar a… taxa mais baixa. Sem inflação! É apenas a ingenuidade de Jay Powell e do Federal Reserve que não nos permite fazer o que outros países já estão fazendo”, escreveu Trump uma série de tuítes nesta quarta-feira.

Agenda Americana

O Departamento de Trabalho dos EUA divulgou nesta manhã o resultado do PPI (Índice de Preços ao Produtor), com avanço de 0,1%, contra estimativa de alta de 0,2%. O resultado anterior foi de alta de 0,2%. Também hoje, será conhecido o atual nível de estoques de petróleo do país.

Bolsas Internacionais

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,96%, a 21.597 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,78%, a 27.159 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,41%, a 3.008 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,74%, a 3.930 pontos.

A quarta-feira é marcada por otimismo para os principais mercados acionários da Europa. Em Frankfurt, o DAX tem ganhos de 0,80% aos 12.366 pontos, enquanto que em Londres, o FTSE soma 0,97% aos 7.338 pontos. Já em Paris, o CAC avança 0,51% aos 5.621 pontos.

Commodities

A quarta-feira foi mais uma jornada que teve como característica a valorização dos contratos futuros do minério de ferro, que são negociados na bolsa de mercadorias de Dalian, na China. O ativo de maior volume de negócios, com data de vencimento para o primeiro mês do próximo ano, encerrou negociado a 661,00 iuanes por tonelada, variação diária de 10 iuanes. O montante representa ganho de 1,54% em relação do preço de liquidação da véspera, de 651,00 iuanes/t.

Minério de ferro
(Imagem: Facebook oficial Vale)

No caso do vergalhão de aço, com os papéis futuros transacionados na também chinesa bolsa de mercadorias de Xangai, a sessão de quarta-feira foi marcada por desvalorização dos principais vencimentos. O contrato mais líquido, com entrega em janeiro de 2020, caiu 4 iuanes para 3.481 iuanes por tonelada, enquanto o de outubro deste ano, segundo em volume, recuou 11 iuanes para 3.795 iuanes/t.

No caso dos contratos do petróleo, a jornada mostra-se mais uma vez positiva para os preços do produto. O barril do WTI, referência negociada em Nova York, a alta é de 1,20%, ou US$ 0,69, a US$ 58,09. Já em Londres, o Brent soma 1,03%, ou US$ 0,64, a US$ 63,02.

Mercado Corporativo

Oriente Médio

A edição desta quarta-feira do Valor Econômico informa que o presidente Jair Bolsonaro deve aproveitar a viagem que fará a China em outubro para tratar de negociações no Oriente Médio. De acordo com a publicação, as negociações envolvem as áreas de infraestrutura e defesa com países como Arábia Saudita, Qatar e Emirados Árabes Unidos.

O jornal informa ainda que representes de empresas como Avibras, Condor e Embraer (EMBR3) foram convidados para fazer parte da comitiva presidencial. Os países são vistos como potenciais compradores de produtos brasileiros, como armas e munições não letais, sistema de lançadores múltiplos de foguetes, defesa cibernética, e o ponto que será usado como principal trunfo, o cargueiro KC-390.

Etanol

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou por ampla maioria nesta terça-feira regime de urgência para a proposta que suspende o aumento da cota de importação de etanol para 750 milhões de litros anuais sem a incidência de taxa de 20%.

O regime de urgência, que torna mais célere a tramitação do projeto do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), foi aprovado por 319 votos a 101.

O projeto, se aprovado, suspende os efeitos da portaria publicada há menos de duas semanas no Diário Oficial da União, que elevou o volume da cota —que era de 600 milhões de litros/ano e estava para expirar— e estipulou vigência por 12 meses.

A portaria favorece principalmente os Estados Unidos, principais exportadores de etanol para o Brasil, que responderam por 99,7% das importações brasileiras do biocombustível em 2018.

Banim

A mineradora brasileira Banim está em negociações para uma joint venture com diversos possíveis parceiros, que poderiam ajudá-la a financiar um projeto de minério de ferro de 2,6 bilhões de dólares, disse seu presidente-executivo nesta terça-feira.

A Bamin, que possui apoio da mineradora de capital fechado Eurasian Resources Group, negocia com um consórcio que compreende três diferentes empresas chinesas, disse à Reuters o CEO Eduardo Ledsham, confirmando notícias publicadas anteriormente na mídia.

Ele acrescentou, porém, que a companhia também está em “negociações avançadas” com outros três potenciais investidores estimulados pelos crescentes preços do minério de ferro, uma alta que foi em parte impulsionada pelo fatal rompimento de uma barragem da Vale (VALE3) em Brumadinho (MG) em janeiro.

Leilão de Energia

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira o edital do chamado leilão de energia A-6, que contratará novos projetos de geração para entrada em operação a partir de 2025.

O certame, que acontecerá em 18 de outubro, é aberto para participação de hidrelétricas, termelétricas a gás, carvão e biomassa e usinas eólicas e solares.

Os vencedores da licitação fecharão contratos para venda da produção futura a concessionárias de distribuição, que atendem os consumidores finais. Os prazos dos acordos serão de 30 anos no caso dos projetos hídricos, de 25 anos para as térmicas e 20 anos para os empreendimentos fotovoltaicos e eólicos.

A Aneel ainda divulgou nesta terça-feira os preços-teto da licitação, que serão de 285 reais por megawatt-hora para os novos empreendimentos hídricos e de 292 reais por MWh para as térmicas.

Operação Greenfield

A força-tarefa do Ministério Público Federal da operação Greenfield entrou na Justiça com ação de improbidade contra o banco Santander Brasil (SANB11), outras duas instituições financeiras, uma corretora e 12 pessoas por prejuízos milionários em operações nos fundos de pensão Petros e Postalis.

Santander
Na ação, a força-tarefa alega que um diretor do banco propositadamente deixou de receber e analisar a documentação relativa ao lastro dos direitos integrantes da carteira do FIDC Trendbank (Imagem: Reuters)

Os procuradores cobram 561,6 milhões de reais, a título de ressarcimento. Esse valor equivale ao triplo dos danos, segundo comunicado do MPF divulgado nesta terça-feira.

O caso refere-se a aportes feitos no Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Trendbank, nos quais foram verificados atos de gestão temerária, fraudulenta, desvio de recursos e a emissão de duplicatas simuladas.

Na ação, a força-tarefa alega que um diretor do banco “propositadamente deixou de receber e analisar a documentação relativa ao lastro dos direitos integrantes da carteira do FIDC Trendbank”.

Além do Santander Brasil, o MPF lista entre os envolvidos Banco Finaxis, Trendbank e a corretora Planner. Segundo a ação, o FIDC Trendbank era administrado pelo Banco Finaxis, “posteriormente a administração passou para a Planner Corretora…por fim, a custódia pertencia ao Banco Santander”

Santander Brasil 

O Santander Brasil (SANB11) anunciou nesta terça-feira novas funções para seu aplicativo de cartões Way, incluindo transferências de recursos entre pessoas, sublinhando os esforços de bancos para enfrentar o avanço das fintechs.

Lançado há quase três anos para permitir que clientes de cartões de crédito do Santander Brasil pudessem gerenciar gastos e evitar fraudes nas compras virtuais, o Way tem cerca de 7,5 milhões de inscritos, mas o uso ativo do serviço ainda é pouco expressivo, disse a jornalistas o diretor de cartões e pagamentos digitais do banco, Rodrigo Cury.

Segundo ele, a transferência entre pessoas é a primeira de uma série de novas funcionalidades, o que incentivará o maior uso do aplicativo. Mais adiante, o Way poderá ser usado por cliente pessoa jurídica do banco, por meio da adquirente GetNet, para venda de produtos a clientes pessoa física.

Leilão de áreas petrolíferas

Sem a participação da Petrobras (PETR4), a primeira rodada de ofertas permanentes de áreas petrolíferas do Brasil terminou com 33 blocos arrematados, de um total de 273 oferecidos nesta terça-feira.

A norte-americana Exxon, destaque dos últimos leilões no Brasil, dessa vez levou três blocos em parceria com Enauta e Murphy, na Bacia Sergipe-Alagoas.

A gigante norte-americana do setor de petróleo, que ficou com 50% dos blocos marítimos Seal 505, 575 e 637, levou as concessões juntamente com suas parceiras com pagamento de bônus de assinatura de 7,8 milhões de reis.

O investimento previsto nos blocos, nos quais a Enauta ficou com 30% e a norte-americana Murphy com 20%, foi fixado em 96,9 milhões de reais, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que realizou o leilão.

A Eneva (ENEV3) foi vencedora em seis áreas da Bacia do Parnaíba, onde já atua

Agenda de Autoridades

Jair Bolsonaro

O presidente da República segue internado em São Paulo onde se recupera de cirurgia, não tendo compromissos públicos nesta quarta-feira.

Paulo Guedes

Reunião semanal com o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues;

Audiência com os deputados federais Felipe Rigoni (PSB-ES) e Pedro Paulo (DEM-RJ);

Audiência com o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witsche;

Audiência com o deputado federal Alceu Moreira (MDB/RS);

Reunião com o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital Adjunto, Gleisson Rubin;

Reunião semanal com o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar;

Audiência com líder e vice-líderes do governo no Senado

Leia mais sobre: Ações, Ibovespa, Mercados

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 11/09/2019 - 9:46