Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa firma queda com varejo sob pressão após Amazon Prime chegar ao país

Reuters - 10/09/2019 - 12:46
Amazon Prime Empresas
Chegada da Amazon Prime no Brasil abala ganhos da bolsa paulista nesta terça-feira (10) (Imagem: Reuters/Clodagh Kilcoyne)

O Ibovespa firmava-se no vermelho nesta terça-feira, após quatro pregões de alta seguidos, tendo de pano de fundo fraqueza em Wall Street e com ações de empresas de comércio eletrônico liderando perdas após a chegada do Amazon Prime ao Brasil.

Às 12:06, o Ibovespa caía 0,32%, a 102.853,93 pontos. O volume financeiro somava 5,9 bilhões de reais. A queda vem após o Ibovespa acumular ganho de 3,5% nas últimas quatro sessões.

Nos Estados Unidos, os negócios eram pressionados por preocupações sobre o crescimento global após dados econômicos chineses apontando desaceleração da segunda maior economia do mundo. O S&P 500 cedia 0,6%.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Após a balança comercial decepcionar no final de semana, o que levou o governo a anunciar redução no compulsório para estimular a economia, a equipe da Coinvalores destacou que os dados de inflação vieram também com viés mais negativo, principalmente a queda dos preços ao produtor, “um sinal preocupante, pois reforça o cenário de desaceleração econômica”.

Destaques

B2W (BTOW3) caía 6,5%, Via Varejo (VVAR3) cedia 4,85% e  Magazine Luiza (MGLU3) perdia 6,5%, após a Amazon anunciar a chegada ao Brasil do Prime, seu serviço de assinatura de produtos de entretenimento e compras, incluindo frete gratuito para todo o país e prazo de entrega máximo de 48 horas em mais de 90 município.

Em Nova York, Mercado Livre (MELI) tinha queda de 3,2%, enquanto os papéis da Amazon tinham recuo de 0,9 por cento.

JBS (JBSS3) recuava 2,3%, engatando o terceiro pregão de queda após fechar em cotação recorde na última quinta-feira, a 30,24 reais. No setor, Marfrig (MRFG3) tinha alta de 0,2%, após forte valorização na véspera e no começo do pregão. BRF (BRFS3) tinha variação positiva de 0,95%.

Itaú Unibanco (ITUB4) cedia 1,4%, também ajustando após forte valorização recente no setor como um todo, com Bradesco (BBDC4) cedendo 1,3%.

Kroton Educacional (KROT3) e Yduqs (YDUQ3) subiam 4,1% e 3%, entre as maiores altas, tendo de pano de fundo avaliações de que o setor de educação figura entre os mais protegidos da turbulência externa e que tende a se beneficiar da aguardada retomada da economia brasileira enquanto a educação pública segue alvo de cortes de orçamento.

Gerdau (GGBR4) avançava 3,4%, tendo no radar que o fundo norte-americano Capital lnternational lnvestors elevou a participação na siderúrgica para o equivalente a 10,08% das preferenciais da empresa.

Reportagem do Estadão também traz que o desembargador federal do Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu ação penal contra 4 executivos da Gerdau.

A suspensão, em caráter liminar, tem validade até a análise do mérito do pedido. No setor, CSN (CSNA3) subia 2,1%. Usiminas (USIM5) tinha oscilação positiva de 0,1 por cento, após saltar cerca de 8 por cento na véspera.

Petrobras (PETR3PETR4) valorizavam-se 0,5% e 0,8%, respectivamente, favorecidas pela alta dos preços do petróleo no exterior, que refletiam otimismo de que a Opep e outros países produtores concordem em estender cortes na produção da commodity.

Vale (VALE3) subia 0,4% em meio a uma nova alta dos preços do minério de ferro na China e após forte ganho da véspera, que fez a cotação fechar na máxima em mais de um mês.

Leia mais sobre: Ações, Amazon, Ibovespa, Mercados, Reuters

Última atualização por Lucas Simões - 10/09/2019 - 12:46