Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa fecha em queda com dúvidas sobre negociações China-EUA

18/11/2019 - 18:57
Ibovespa nesta fechou em queda nesta segunda-feira (imagem: shutterstock)

O Ibovespa fechou em queda nesta segunda-feira, sem conseguir se sustentar acima dos 107 mil pontos, diante do enfraquecimento das ações de bancos e da Petrobras (PETR4), em sessão marcada pelo vencimento de opções sobre ações na bolsa paulista e noticiário misto acerca das negociações comerciais ChinaEUA.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa cedeu 0,27%, a 106.269,25 pontos. O volume financeiro somou 26,9 bilhões de reais, inflado pelo exercício de opções na primeira etapa do pregão, que totalizou quase 9 bilhões de reais.

Na máxima da sessão, o Ibovespa chegou a 107.519,18 pontos, em alta de 0,9%, respaldado por ajustes ao movimento dos recibos de ações de companhias brasileiras negociados em Nova York (ADRs) na última sexta-feira, quando a bolsa paulista não funcionou por feriado nacional.

No exterior, notícia de que China e EUA mantiveram “negociações construtivas” sobre comércio em um telefonema de alto nível no sábado favoreceu os ganhos do começo do dia, mas o fôlego arrefeceu com relatos de pessimismo em Pequim devido à relutância do presidente norte-americano em retirar tarifas sobre produtos chineses.

Em Wall Street, o S&P 500 encerrou com variação positiva de apenas 0,05% com agentes financeiros à espera de maior clareza sobre as negociações comerciais, desempenho suficiente para renovar máxima história.

“Investidores preferiram realizar parte dos lucros recentes e o mercado ficou em compasso de espera”, ressaltou o analista Régis Chinchila, da Terra Investimentos, destacando que os investidores continuam bem cautelosos em relação às negociações entre EUA e China.

As dúvidas sobre a situação comercial dos dois gigantes econômicos ajudaram o dólar a fechar numa máxima recorde nesta segunda-feira, acima de 4,20 reais na venda.

Chinchila também destacou que, no Brasil, a agenda está vazia e não são esperadas grandes novidades, já que não há expectativa de avanços em reformas no Congresso até o fim do ano.

DESTAQUES

Mafrig (MRFG3) subiu 5,56%, após três quedas seguidas, tendo no radar anúncio da companhia de que fechou acordo para aumentar a participação no capital social da controlada norte-americana National Beef de 51% para 81,73%, o que repercutiu positivamente entre analistas. O BTG Pactual aproveitou o anúncio para elevar o preço-alvo das ações a 12 reais, enquanto seguiram com recomendação ‘neutra’.

JBS (JBSS3) avançou 1,94%, também encerrando série de três sessões de perdas. Analistas do Santander Brasil elevaram o preço-alvo dos papéis para o final de 2020 a 43 reais, de 35 reais, bem como reiteraram recomendação de compra, após incorporar os resultados da companhia no terceiro trimestre e destacando principalmente a perspectiva mais positiva para a exportação de proteínas nos Estados Unidos.

Suzano (SUZB3) fechou em alta de 3,19%, recuperando parte das perdas nos dois pregões anteriores, particularmente na quinta-feira, quando encerrou o dia em baixa de 2,6%. A valorização do dólar em relação à moeda brasileira, para a máxima histórica de 4,2061 reais, ajudou na reação, uma vez que, entre outros efeitos, ajuda na geração de caixa da companhia. Klabin UNIT fechou em alta de 0,3%, antes de anunciar pagamento antecipado de 2,4 bilhões de reais ao BNDES, em estratégia de redução de custo de dívida.

Yduqs  (YDUQ3) caiu 3,81%, maior declínio do Ibovespa, corrigindo parte da forte valorização na última quinta-feira, véspera de feriado, quando fechou com acréscimo de 4,7%. Na quarta-feira, o papel já havia subido 2,3%.

Cemig (CMIG3) recuou 2,17%, após prejuízo líquido de 281,8 milhões de reais no terceiro trimestre, diante de contingenciamento bilionário para o cumprimento de contribuições tributárias. Analistas da Mirae Asset avaliaram que, no geral, o resultado financeiro ficou abaixo do esperado, mas destacaram que a empresa ainda pode ser privatizada ou continuar vendendo ativos não estratégicos, o que agradaria o mercado.

Sabesp (SBSP3) valorizou-se 0,62%, tendo no radar resultado trimestral, mostrando lucro líquido entre julho e setembro de 1,2 bilhão de reais, valor 113,9% superior aos 565,2 milhões de reais obtidos um ano antes.

Vale (VALE3) encerrou em alta de 1,3%, ajustando-se ao movimento do recibo de sua ação negociado em Nova York na última sexta-feira e favorecida pela alta dos preços do minério de ferro na China. A companhia também assinou acordo físico de minério de ferro para abastecer uma siderúrgica chinesa usando o preço do minério de ferro da Dalian Commodity Exchange (DCE), disse a bolsa na sexta-feira.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Petrobras (PETR4) cedeu 0,75% e PETROBRAS ON encerrou com variação negativa de 0,03%, perdendo o fôlego em relação ao começo da sessão, quando prevaleceram os ajustes ao movimento positivo dos ADRs da petrolífera na última sexta-feira em Wall Street. O comportamento das ações ainda teve de pano de fundo o vencimento de contratos de opções na bolsa paulista e a queda dos preços do petróleo no mercado externo.

Itaú unibanco (ITUB4) encerrou com declínio de 0,45% e BRADESCO PN recuou 0,66%, também revertendo os ganhos da primeira etapa da sessão, quando os papéis encontraram suporte ganhos de seus ADRs na última sexta-feira.

Banco BMG unit (BMGB11), que não está no Ibovespa, fechou em baixa de 3,58%, após resultado do terceiro trimestre, que mostrou lucro líquido recorrente de 88 milhões de reais, acréscimo de 14,3% na comparação ano a ano. A margem financeira líquida alcançou 24,7%, ante 20,2% um ano antes.

Restoque,(LLIS3) também de fora do Ibovespa, desabou 9,71%, após a varejista de vestuário dona de marcas como Le Lis Blanc e Dudalina reportar queda de mais de 30% na receita líquida de vendas do terceiro trimestre ano a ano, com o resultado operacional medido pelo Ebitda desabando.

Última atualização por Rafael Borges - 18/11/2019 - 18:57