Últimas Notícias Tesouro Direto Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Cripto
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa chega quase a 100 mil pontos na semana com expectativa por Previdência

Investing.com Brasil - 15/03/2019 - 21:31

Por Investing.com – Nova quebra de recorde intradia e de fechamento. Mas os 100 mil pontos ainda não chegaram. A implementação de uma agenda liberal na economia sob o governo de Jair Bolsonaro sustenta a expectativa de o Ibovespa ultrapassar, em 2019, os 100 mil pontos. Nesta semana, com alta de 3,74%, faltou menos de mil pontos para atingir a simbólica marca. O pregão de sexta-feira encerrou a 99.136,74 pontos. Já o dólar teve a maior queda semanal de um mês e meio, com queda de 1,28% a R$ 3,8206.

A semana teve, entretanto, altos e baixos no cenário interno e no plano internacional. Com os investidores precificando a aprovação da reforma da Previdência, foi muito bem vista a reunião entre Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, no sábado, com o presidente acenando aos deputados federais, especialmente os líderes partidários, e Maia demonstrando confiança com o gesto do Palácio do Planalto.

Garanta um método eficaz para gerar renda adicional periodicamente…

Continua depois da publicidade

Os líderes partidários, no entanto, ainda estão com pé atrás de dar apoio total à reforma da Previdência e se tornar base do governo no Congresso. Por isso, o governo federal vai respeitar as emendas parlamentares impositivas e distribuir R$ 1 bilhão dos R$ 3 bilhões previstos, ato considerado por analistas e políticos como compra de apoio, método semelhante ao adotado por governos anteriores. A gestão Bolsonaro, entretanto, nega.

Também foi positiva a instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara. A CCJ é a primeira comissão onde a reforma será tramitada e está sob a presidência de Felipe Francischini e vice-presidência de Bia Kicis, ambos do PSL, partido do presidente.

O ministro da Economia Paulo Guedes também contribuiu para a formação de expectativas positivas em relação à aprovação da reforma no Congresso. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo no domingo, Guedes afirmou que resta persuadir 48 deputados para ter os votos necessários para a aprovação. Porém, a líder do governo no Congresso, a deputada federal Joice Hasselmann, acabou negando a existência de um mapa de votos.

Carteira Money Times: O Consenso do Mercado na sua Mão

A grande notícia em torno de Guedes veio durante a semana, com a notícia que se tornaria um dos articuladores com os congressistas para a aprovação da reforma. Durante a semana, o ministro se reuniu com o ex-deputado federal Silvio Costa, que tem ascendência sobre deputados do Nordeste, e os governadores de Piauí e Ceará, ambos do PT.

A negociação com os governadores dos Estados do Nordeste é o grande trunfo do governo para obter os votos necessários para a aprovação da Nova Previdencia. Na sexta-feira, entretanto, os 9 governadores da região se firmaram contra alguns pontos da reforma, rechaçando a implantação de um sistema de capitalização e mudanças nas regras da aposentadoria rural, por invalidez, entre outros.

A reforma da Previdência dos militares é outro ponto de atrito entre o Palácio do Planalto e o Congresso. Os líderes partidários aceitam iniciar os trâmites da Nova Previdência após o envio das novas regras das Forças Armadas. O governo promete a entrega da reforma dos militares na próxima semana, dia 20.

Os militares teriam pedido, segundo a edição de sexta-feira de O Estado de S.Paulo, recomposição salarial como contraproposta para o aceite de endurecimento das regras de suas aposentadorias. Propuseram também bônus de fim de carreira e a criação de outro cargo para justificar a elevação de 30 para 35 anos o tempo de contribuição. Caso seja aprovada sob esses moldes, a reforma dos militares geraria um aumento de R$ 10 bilhões nos próximos 10 anos antes de iniciar a economia com as novas regras. Resta saber se o governo vai contemplar essas demandas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Empresas

O destaque do mundo corporativo na semana foi o acidente aéreo de um avião da Boeing 737 Max da Ethiopian Airlines na África no domingo. O evento levou agências reguladoras e empresas aéreas de todo o mundo a suspender viagens com o, que sofreu o segundo acidente desde outubro. No Brasil, a Gol é a única que detém o 737 Max no mercado brasileiro e seguiu a suspensão, o que impactou no preço de seus papéis.

Já a rival Azul teve movimento contrário ao anunciar a intenção de comprar US$ 105 milhões de ativos da Avianca, que está em recuperação judicial. Caso concretize a aquisição, a Azul terá maior presença operacional nos aeroportos de São Paulo e Rio de Janeiro.

A aquisição de ações do Mercado Livre pela Paypal impactou nos papéis das varejistas brasileiras no início da semana. A empresa americana de pagamentos colocou US$ 700 milhões no marketplace argentino, mas não foi revelado o percentual correspondente ao valor pago.

Variáveis de atividade

A semana foi marcada por divulgação de dados que se revelaram frustrantes ante expectativa de aceleração do crescimento econômico a partir deste ano. A atividade industrial em janeiro caiu 0,8% em relação ao mês anterior, maior queda em 4 meses. O índice de serviços teve queda de 0,4% em janeiro ante dezembro. Já os dados do varejo vieram acima da expectativa, crescendo 0,4% em janeiro sobre o mês antecendente. Além disso, o IPCA de fevereiro foi divulgado, com alta de 0,43%.

Por fim, Roberto Campos Neto tomou posse no Banco Central, prometendo continuidade à política monetária ditada por seu antecessor Ilan Goldfajn. Na sexta-feira, o governo realizou o leilão de 12 aeroportos, arrecadando R$ 2,377 bilhões aos cofres públicos e com ágio de 986%.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você