Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa cai com tensão política interna; Maia defende reforma da Previdência

Investing.com Brasil - 22/03/2019 - 15:14

Por Investing.com – Se o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) amenizou a queda do Ibovespa ontem após a prisão do ex-presidente Michel Temer – ao afirmar que a prisão não influenciaria na pauta do Congresso -, nesta sexta-feira (22) ele é um dos fatores para a baixa de 2,91% a 93.914,18 pontos, às 15h00 na bolsa paulista, com um volume negociado em R$ 12,82 bilhões.

Maia ameaçou deixar a articulação da reforma da Previdência no Congresso após se irritar com post e críticas feitas a ele por Carlos Bolsonaro. A reação também se refletiu no par dólar/real, com a moeda americana se valorizando 2,40% a R$ 3,8883.

Maia não gostou do compartilhamento de Carlos à resposta do ministro da Justiça, Sergio Moro, à sua decisão de não dar prioridade agora ao projeto de combate ao crime organizado e à corrupção na Câmara. O deputado carioca manifestou seu descontentamento ao ministro da Economia Paulo Guedes em uma ligação presenciada por líderes dos partidos do Centrão, afirmando que “se é para ser atacado por filhos e aliados de Bolsonaro, o governo não precisa de ajuda”.

Continua depois da publicidade

Mais tarde, resposta à deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), o presidente da Câmara dos Deputados disparou em seu Twitter: “Nunca vou deixar de defender a reforma da Previdência”. A política eleita com o maior número de votos do País havia declaro que Maia tinha desistido de avançar com a reforma.

A irritação de Maia se soma a preocupação dos investidores com a desaceleração do crescimento da economia global, corroborada nesta sexta-feira com a divulgação de indicadores fracos para a atividade industrial e de serviços na Zona do Euro e o dado de atividade industrial nos EUA.

Além disso, a fraca economia líquida fiscal com a reestruturação das carreiras e a reforma da Previdência dos militares também influenciam na desvalorização dos ativos brasileiros no Ibovespa. Assim como a perspectiva negativa em relação à tramitação da reforma da Previdência após a prisão de Temer, que pode colocar uma pausa nas negociações sobre a reforma e encarecer o apoio do MDB à pauta.

Destaques:

–  CCR (CCRO3) perdia 5,20%, figurando entre as principais quedas do Ibovespa, após divulgação do balanço do quarto trimestre, com prejuízo líquido de R$ 307,1 milhões em razão de despesas não recorrentes atreladas ao acordo de leniência.

Cyrela (CYRE3) recuava 5,99%, sucumbindo ao movimento generalizado de embolso de lucros na bolsa paulista, apesar de números positivos no balanço trimestral divulgado pela companhia. A construtora teve lucro líquido de R$ 116 milhões no quarto trimestre, superando em 138,1% o desempenho apurado um ano antes.

Petrobras (PETR4) tinha queda de 4,52% tendo no radar notícia de que a estatal executou estratégia de hedge para proteger parte de sua produção de petróleo prevista para 2019, comprando opções de venda (“put”) do Brent com preço de exercício ao nível de 60 dólares o barril.

Itaú Unibanco (ITUB4) caía 2,95%, enquanto Bradesco (BBDC4) declinava 3,53%, contribuindo para o viés negativo do Ibovespa, dado o peso dos papéis em sua composição.

Lojas Americanas (LAME4) cedia 5,80% e a controlada de comércio eletrônico B2W (BTOW3) caía 7,98%, entre os destaques negativos do Ibovespa, ainda ecoando os resultados trimestrais mais fracos.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você
As 5 principais notícias do mercado internacional desta quinta-feira