Últimas Notícias Tesouro Direto Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Cripto
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Guedes e Petrobras impulsionam Ibovespa com exterior em alta

Investing.com Brasil - 18/04/2019 - 19:00
 (Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Por Investing.com

Se não é Rodrigo Maia, é Paulo Guedes que se manifesta e muda o humor dos investidores. No pregão desta quinta-feira (18), véspera de feriado, a alta do Ibovespa também teve a contribuição de Petrobras (PETR4) com reajuste do preço do diesel, que afasta por enquanto o receio de interferência do governo na direção da estatal e, consequentemente, se afastar da agenda liberal com a qual se elegeu e formou sua equipe econômica. Agenda que foi reforçada pelo próprio Guedes em entrevista à Globonews na noite de quarta-feira.

O Ibovespa, que subiu 1,39% a 94.578,26 pontos. No meio da sessão, o principal índice acionário brasileiro chegou a ultrapassar os 95 mil pontos, mas a promessa de nova paralisação dos caminhoneiros em 29 de abril, segundo representantes da categoria ouvidos pela Agência Estado, diminuiu a força dos touros. Na semana, o Ibovespa acumulou ganhos de 1,81%, com apenas uma sessão encerrada em queda.

Continua depois da publicidade

dólar também se beneficiou no quadro benigno interno, caindo 0,11% a R$ 3,9298. No entanto, incertezas com a reforma da Previdência em meio às confusões no trâmite na CCJ levaram a moeda americana à maior alta semanal em um mês (desde a semana encerrada em 22 de março), com desvalorização de 1,04% da moeda brasileira ante seu par americano.

A nova onda de IPOs já chegou! Deixe o seu-email e saiba como ganhar com ela!

O que Guedes falou?

O ministro falou, em linhas gerais, de que sua autonomia não foi afetada com o episódio do veto de reajuste do diesel da Petrobras na semana passada. Além disso, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro começa a gostar da ideia de privatizar a estatal de petróleo, como também vê com bons olhos a desestatização de outra empresa sob controle da União, mas sem revelar qual.

Sobre a Previdência, assegurou que a economia gerada pela reforma que será aprovada no Congresso será próxima a R$ 1 trilhão em 10 anos, conforme proposta inicial do governo, mesmo que seja desidratada. A defesa do quanto vai ser poupado pelas novas regras de aposentadoria é uma oposição ao consenso do mercado de que a economia a ser gerada será entre R$ 500-600 bilhões, devido às prováveis modificações do texto da reforma durante a tramitação no Congresso, como veto às mudanças da aposentadoria rural e ao Benefício de Prestaçao Continuado (BPC).

Exclusivo: Método de Luiz Barsi é revelado em curso inédito

Durante esta quinta-feira, Guedes cobrou maior velocidade para aprovação da reforma antes de 2020, quando os parlamentares poderão se focar nas eleições municipais do ano que vem. Em relação à aprovação do texto na CCJ, fontes consultadas pela Bloomberg indicam que governo deve ter de 37 a 48 para aprovar a Previdência na Comissão.

Mas a cautela prevalece nos investidores, ainda mais após a promessa de votar a admissibilidade do texto do relator ontem e ser adiado para a semana que vem, na terça-feira. Ontem, o presidente da Câmara Rodrigo Maia espera que a Comissão Especial, próxima etapa de tramitação da reforma, seja instalada por volta de 7 de maio.

Petrobras

O reajuste de 4,8% do diesel nas refinarias incentivou os touros com as ações da estatal, que foram o carro-chefe na alta do Ibovespa nesta sessão. Após o veto do aumento do preço na semana passada pelo Palácio do Planalto, a efetivação do reajuste trouxe, por enquanto, a percepção de que a estatal voltou a ter autonomia de estabelecer preços. A PETR4 subiu 3,18% a R$ 27,60, enquanto a PETR3 teve ganhos de 1,92% a R$ 30,76.

O aumento trouxe à tona a ira dos caminhoneiros, que prometeram nova paralisação. O ministro Guedes, sempre ele, vai pedir revisão da tributação de combustíveis à equipe econômica, segundo a Agência Estado. Se vier desoneração no setor, vai se somar às medidas anunciadas ontem pelo governo para apaziguar os caminhoneiros, como abertura de linha de crédito para capital de giro e investimentos de R$ 2 bilhões para melhorias de rodovias.

O efeito dominó da Rede

Cielo (CIEL3), adquirência de co-propriedade do Banco do Brasil (BBAS3) e do Bradesco (BBDC4), desabou 7,3% a R$ 8,25, após a rival Rede, do Itaú Unibanco (ITUB4), zerar taxa para antecipar recebíveis de lojistas que receberem pagamentos de compras com cartão de crédito à vista em terminais da empresa. Os lojistas receberão os valores depositados em dois dias. As condições valerão a partir de 2 de maio com faturamento na empresa de até R$ 30 milhões por ano.

“A notícia é negativa para todos os adquirentes listados, Cielo, Stone e PagSeguro (NYSE:PAGS), em diferentes magnitudes, já que devem reagir ao movimento agressivo da Rede”, destacou a equipe da XP Investimento em relatório a clientes.

De acordo com cálculos dos analistas, assumindo que as transações à vista representem de 30 a 40% do volume total de crédito, a Cielo poderia ter seu lucro líquido de 2019 reduzido em 10 a 20%. No caso da Stone, eles avaliam que deve ser mais impactada, uma vez que a empresa atua principalmente no mercado de pequenas e médias empresas e possui maior exposição relativa ao pré-pagamento em seus resultados.

Linx (LINX3), companhia de software que no ano passado lançou uma subcredenciadora de cartões, despencou 12,36% a R$ 31,20 na bolsa paulista. Em Nova York, Stone desabou 23,69% a R$ 26,51, enquanto que a PagSeguro perdeu 9,74% a US$ 25,30.

Usiminas (USIM5)

A siderúrgica abriu a temporada de balanços do primeiro trimestre das companhias listadas na B3. Os papéis da empresa subiram 2,38% a R$ 9,02, mesmo após divulgar resultado trimestral considerado fraco por analistas, embora em linha, com o setor de siderurgia e mineração na bolsa como um todo em alta nesta quinta-feira.

A Usiminas teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 474 milhões no período, redução de 23,8% na comparação anual. Separadamente, informou que investirá R$ 1 bilhão e terá despesas financeiras líquidas de R$ 421 milhões neste ano.

Exterior

Os principais mercados globais estiveram em alta na véspera de feriado nos países europeus e nos EUA, com exceção da China. Os indicadores chineses divulgados ontem e os dados anunciados hoje da economia americana, que vieram acima da expectativa, impulsionaram os mercados.

O índice acionário de Xangai recuou da máxima de fechamento de 13 meses e terminou em queda nesta quinta-feira, uma vez que investidores travaram ganhos após o forte rali sustentado por sinais de recuperação econômica com os indicadores da economia do país divulgado ontem.

Os mercados acionários europeus fecharam em alta diante da cobertura de posições vendidas antes do feriado prolongado de Páscoa e fortes resultados trimestrais como da Unilever (LON:ULVR) e da Nestlé, apesar do Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do 2º trimestre dos principais países do continente apresentar contração. O PMI aponta crescimento desacelerando inesperadamente de novo uma vez que a demanda praticamente não aumentou apesar das altas de preços mais modestas.

Os dados foram divulgados uma semana depois de o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, ter levantado a perspectiva de mais suporte para a economia da zona do euro se a desaceleração persistir. O PMI Composto preliminar do IHS Markit caiu a 51,3 neste mês de 51,6 em março, contra expectativa em pesquisa da Reuters de aumento para 51,8.

Nos EUA, foram divulgados a venda do varejo em março e os pedidos iniciais do seguro-desemprego. As vendas do varejo saltam 1,6% no mês passado, maior alta em um ano e meio uma vez que as famílias aumentaram as compras de veículos motorizados e de uma série de outros bens. Em fevereiro, o índice havia caído 0,2%.

O salto de março no varejo é a mais recente indicação de que o crescimento econômico acelerou no primeiro trimestre nos EUA. Os pedidos iniciais de desemprego da semana passada confirmaram a tendência, que foram 192 mil contra o consenso de 205 mil.

Os índices em Nova York fecharam em alta. O S&P 500 cresceu 0,16%, a Nasdaq teve ganhos de 0,02% e Dow Jones saltou 0,42%. O IPO da Pinterest (NYSE:PINS), empresa de compartilhamento de fotos, avaliou a empresa em US$ 12,7 bilhões e sinalizou força para o mercado de IPOs após as dificuldades da Lyft (NASDAQ:LYFT), rival da Uber (NYSE:UBER) – que abre o capital no próximo mês. Na estreia no pregão de hoje, as ações da Pinterest subiram 28,42% a US$ 24,40.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você