Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Governo vê PEC de regras fiscais como complemento de pacto federativo, diz autor da proposta

Reuters - 11/09/2019 - 14:55
Congresso
O projeto está em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara (Imagem: REUTERS/Ricardo Moraes)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, está convencido da importância de ver avançar no Congresso a PEC 438, que trata das regras fiscais, como peça complementar do pacto federativo, afirmou nesta quarta-feira o autor da proposta, deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), após reunião com Guedes.

“A nossa PEC é um passo significativo no pacto federativo porque ela traz a questão de ataque à despesa obrigatória, desindexação, a desvinculação orçamentária”, afirmou.

“O mais importante hoje é que o ministro tem a absoluta convicção, que nós já tínhamos, que são projetos complementares e necessários. Nesse momento, um depende do outro.”

A PEC 438 propõe medidas para conter o crescimento das despesas obrigatórias e regulamenta a chamada regra de ouro, norma constitucional que proíbe o governo de se endividar para cobrir gastos correntes, como pagamentos de salários.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O projeto está em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Se aprovado, seguirá para comissão especial, que analisará o mérito da proposta.

Relator da PEC, o deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), que também participou da reunião com o Guedes, afirmou nesta quarta que a proposta tem o potencial de liberar até 100 bilhões de reais por ano para despesas discricionárias.

“A gente não está conseguindo cumprir as regras fiscais que a gente tem e, ao mesmo tempo, não estamos fazendo investimento público, estamos comprimidos de todos os lados. Essa PEC tem o potencial de, ao mesmo tempo, fazer com que cumpramos as regras fiscais e aumentar o investimento público”, afirmou Rigoni.

Última atualização por Bruno Andrade - 11/09/2019 - 14:55