Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Gestora Legacy desafia pessimistas com projeção ousada para PIB do Brasil em 2020

Bloomberg - 10/10/2019 - 11:22
Mercados
Economista-chefe da gestora de recursos espera que o Brasil “cresça 2,5%, mas o risco maior é que seja 3%” em 2020 (Imagem: Reuters/Lucas Jackson)

Uma das principais novas gestoras de recursos do Brasil está desafiando o consenso com uma aposta de que o crescimento brasileiro vai sair da mediocridade para superar as previsões mais otimistas no ano que vem.

A Legacy Capital, que tem quase R$ 10 bilhões sob gestão em seu principal fundo pouco mais de um ano após o lançamento, espera que o Brasil “cresça 2,5%, mas o risco maior é que seja 3%” em 2020, disse Pedro Jobim, economista-chefe da gestora. Isso se compara a uma previsão mediana de 2% compilada pela Bloomberg, em queda sucessiva desde maio.

O otimismo de Jobim é ainda mais surpreendente considerando que economistas — inclusive ele próprio — superestimaram o crescimento do Brasil nos últimos anos.

Ele chegou a prever uma expansão de 3%, derrubada por uma série de choques como a greve de caminhoneiros e as eleições presidenciais, que fizeram a economia brasileira emergir da pior recessão de sua história muito mais lentamente.

Agora, no entanto, sua projeção se baseia em fatores diferentes para sustentar o otimismo: o crédito a pessoa física, com as concessões atingindo o nível mais alto de todos os tempos, e sua percepção de que o mercado de trabalho não está tão ruim quanto parece.

“Pela primeira vez, o mecanismo do crescimento não é baseado na confiança dos empresários, que era a história anterior entre 2017 e 2019”, disse Jobim, que escreveu um artigo sobre a tese. “Nossa visão tem a ver com a economia real e deve ser um ciclo muito baseado no consumo.”

Outro fator que derrubou projeções anteriores de crescimento foi a retração do investimento das empresas estatais e do governo brasileiro, à medida que o país procura fortalecer as contas fiscais, com o setor privado demorando a assumir esse espaço, disse Jobim.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“Houve muita frustração e as empresas multinacionais estão cansadas de explicar à matriz por que estão perdendo dinheiro no Brasil.”

Enquanto isso, a taxa Selic na mínima histórica já traz efeitos sobre o crédito, com o volume de concessões de empréstimos a famílias ganhando força em 2019, segundo Jobim.

Os desembolsos para pessoa física atingiram o recorde de R$ 1,5 trilhão até agosto, segundo dados do Banco Central, ajudando a impulsionar o consumo.

O mercado de trabalho também pode estar em melhor forma do que parece, argumenta ele, pois alguns dos dados usados ​​para calcular os números do PIB podem não estar capturando o aumento de trabalhadores independentes ou informais visto em outras pesquisas — como a PNAD.

Mercado de trabalho também pode estar em melhor forma do que parece, conforme pesquisa PNAD (Imagem: Marcello Casal jr/Agência Brasil)

Como crédito e mercado de trabalho constituem os dois determinantes mais importantes do consumo das famílias, Jobim decidiu então adotar uma postura mais otimista.

“Com o tempo, a renda proveniente do mercado de trabalho e os empréstimos vão permear a economia”, afirmou.

A maior ameaça às previsões de Jobim vem do ambiente global, pois os dados sobre a confiança nos negócios e sobre a indústria manufatureira estão piorando, disse ele, enquanto as tensões comerciais começam a produzir efeitos irreversíveis.

A retomada do crescimento pode ser uma peça fundamental para a continuidade da agenda de reformas do governo, que começou com a reforma da Previdência, agora quase concluída, mas deve continuar com a tributária e outras mudanças.

Embora o ruído sobre a capacidade do governo de capitanear as mudanças seja constante, é a falta de prosperidade econômica que pode acabar atrapalhando os planos, ao mesmo tempo em que dificultaria o alcance das metas fiscais do país.

“Se o crescimento não vier, as coisas se tornarão muito mais difíceis politicamente”, disse ele.

Última atualização por Lucas Simões - 10/10/2019 - 11:22