Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Gabriel Casonato: Walmart faz bem em se afastar do Brasil

Opinião - 18/05/2019 - 19:05

Por Gabriel Casonato, Editor do Agora Financial 

Caro leitor,

Desde sexta-feira passada (10), o cliente brasileiro que costumava fazer compras online no Walmart (NYSE: WMT) não encontra mais a plataforma disponível na internet.

A empresa decidiu encerrar a operação na grande rede por corresponder a uma “parcela mínima das vendas totais da companhia”.

Em vez disso, vai se concentrar em suas 400 lojas físicas de atacado e varejo no país, na contramão da tendência observada no setor.

Quem tenta acessar o site da empresa encontra o seguinte comunicado:

News

Segundo a direção, tratam-se dos primeiros passos da empresa na reformulação da sua estratégia digital.

O Walmart ainda não revela qual será essa estratégia, mas diz que seu foco estará no atacado, clube de compras e varejo físico devido ao “enorme potencial de crescimento”.

No ano passado, 80% das operações da companhia no Brasil passaram para as mãos da Advent International, firma de private equity com sede nos EUA.

Os 20% restantes continuam com a Walmart americana, que registrou um prejuízo de US$ 4,8 bilhões gerado por essa venda. A empresa chegou ao Brasil em 1995, mas não conseguiu vencer concorrentes mais estabelecidos como o Grupo Pão de Açúcar e o Carrefour.

Ela nunca detalhou seus resultados, mas acredita-se que a operação brasileira nunca gerou lucro para a matriz.

Além disso, depois que a Amazon (NASDAQ: AMZN) acirrou a concorrência no varejo americano com a compra da rede Whole Foods, o Walmart acabou voltando sua atenção para os EUA.

Para reerguer a empresa no Brasil, a Advent está se concentrando em lojas físicas no formato “atacarejo” – mistura de atacado e varejo. O Walmart Brasil é dono de marcas como Sam’s Club, Maxxi e Hipermercado Big.

Se no Brasil as coisas não saíram como o esperado para o Walmart, das operações aqui nos EUA os acionistas não têm como reclamar.

Conhece outros investimentos em Renda Fixa? Invista com o BTG Pactual digital

Em meio a preocupações com o ritmo do varejo americano, a empresa vem apresentando um sólido histórico de resultados.

No quarto trimestre de 2018, por exemplo, ela reportou um avanço de 70% do lucro líquido na comparação anual, para 3,69 bilhões de dólares.

Mais um balanço que superou as estimativas – foi assim em oito dos últimos nove trimestres –, mostrando que ela tem conseguido fazer frente à gigante Amazon.

Por aqui, a estratégia de utilizar as lojas como ponto de troca dos produtos comercializados online tem tido excelente aceitação do público.

A companhia também passou a usar suas lojas como mini armazéns, reduzindo a distância que as mercadorias têm de percorrer para chegar até os clientes.

Para 2019, embora a previsão seja de abrir apenas cinco novas lojas nos EUA, o Walmart vai investir pesado na remodelação das mais de 500 já existentes.

Serão mais de mil pontos modernizados em dois anos, com os departamentos de produtos eletrônicos e farmácia recebendo atenção especial.

O Walmart gastou cerca de US$ 2,2 bilhões em 500 remodelações no ano passado, mais de um quinto dos seus investimentos totais, de US$ 10,3 bilhões.

A empresa não revelou quanto ira destinar às reformas neste ano, mas prevê um total de US$ 11 bilhões em investimentos no período.

Embora a iniciativa tenha por objetivo tornar a experiência de ir à loja mais agradável, ela também visa integrar melhor a operação física com a online. É uma reação clara à estratégia da Amazon, que de algum tempo para cá passou a fazer incursões no varejo físico.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

A varejista de Jeff Bezos, que recentemente chegou a ter um valor de mercado de 1 trilhão de dólares, tem investido cada vez mais no varejo tradicional, com mercados e livrarias físicos. O Walmart, por sua vez, vem investindo pesado para tirar a vantagem da Amazon na internet.

Em 2018, gastou 20 bilhões de dólares para comprar 12 varejistas digitais, assumindo a terceira posição no ranking dos maiores varejistas online dos EUA.

A briga promete ser boa, e ambas estão no caminho para continuar crescendo e gerando valor aos seus acionistas. Melhor para quem possui as ações de ambas em sua carteira.

Última atualização por Vitória Fernandes - 17/05/2019 - 16:18