Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

FMI deve adiar mudança no poder de voto da China por resistência dos EUA

Reuters - 08/10/2019 - 10:29
G20
China deve substituir Japão como a segunda voz mais influente no FMI, segundo uma autoridade japonesa (Imagem: Facebook Oficial G20)

O Fundo Monetário Internacional deve adiar o plano de aumentar suas cotas de financiamento – que dão o direito a voto – que fariam a China substituir o Japão como a segunda voz mais influente do órgão, disse uma autoridade japonesa com conhecimento do assunto à Reuters.

O plano será arquivado devido à forte resistência dos Estados Unidos, disse o funcionário nesta terça-feira, falando sob condição de anonimato, já que não está autorizado a falar com a mídia.

Os EUA, que como maior país acionista do credor global detém um direito efetivo de veto, já tinha manifestado oposição ao aumento do financiamento total do FMI e das cotas de acionistas, uma medida que também mudaria os direitos de voto.

O poder de voto no órgão está vinculado à proporção de financiamento com a que um membro contribui, e essa proporção, por sua vez, está vinculada ao Produto Interno Bruto do país.

O Grupo das 20 principais economias prometeu em junho, na reunião de seus líderes financeiros no Japão, concluir a 15ª revisão geral das cotas com prazo máximo até as reuniões anuais do FMI, programadas para a próxima semana.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O G20 pressionou o FMI a agilizar seu trabalho sobre recursos e reforma da governança como uma questão da mais alta prioridade.

O fundo, na esperança de aumentar sua capacidade de responder a crises financeiras, estabeleceu uma meta para decidir até este ano se deve aumentar o financiamento, bem como quanto aumentar as cotas e a proporção da contribuição de cada membro.

O Japão ocupa a segunda posição em termos de cotas de financiamento e, portanto, direito de voto, desde 1992. No entanto, sua proporção de financiamento caiu de 6,56% para 6,46%. A contribuição da China saltou de 4% para 6,39%, passando do sexto para o terceiro lugar.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 08/10/2019 - 10:34