Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Financiamento do agronegócio tem lastro garantido com plataforma da BBM

Giovanni Lorenzon - 05/07/2019 - 17:26
César Henrique Bernardes Costa, diretor-geral da BBM, aposta em novo ritmo de financiamento da agricultura com plataforma online de CPRs

A pouca clareza e segurança jurídica que a Cédula de Produto Rural (CPR) possui atualmente, e, inclusive, o desconhecido volume em gaveta à espera de liquidação, têm os dias contados, com a nova plataforma de emissão online da Bolsa Brasileira de Mercadorias lançada há algumas semanas.

Até agora, as CPRs são registradas em papel e, portanto, passíveis de erros e fraudes, e com a digitalização dos documentos, o financiamento da produção porteira adentro pelos agentes das cadeias (indústrias de insumos, revendas, cooperativas e traders) e financeiros passarão a contar com mais garantias.

No momento em que o agronegócio passa a se defrontar cada vez mais com a necessidade de se financiar fora dos recursos públicos – viu-se, há poucos dias, que o Plano Safra 19/20 saiu com volume menor de custeio -, seguindo as indicações do governo de sair do crédito, o instrumento da BBM, em parceria com a SegesAgro, dará mais segurança, explica o diretor-geral César Henrique Bernardes Costa.

Continua depois da publicidade

“As CPRs já servem de lastro para os operações no físico e na emissão de títulos e agora, com a digitalização, as garantias são mais palpáveis”, diz o executivo, lembrando que o Bolsa Agro CPR reunirá assinatura e registro de garantias extrajudiciais, agilização das emissões de financiamento (com possibilidade de endosso a terceiros). Além disso o serviço tem disponível acompanhamento de safra, do plantio à colheita, em todas as principais variáveis.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Nas operações hoje de gaveta – que a BBM pretende capturar com tempo e trazer para o sistema online – as estimativas são precárias, mas pode girar entre R$ 100 a R$ 150 bilhões, diz Bernardes Costa.

Agora, as empresas que financiarem a produção com a garantia de um volume físico X a ser liquidado na colheita, podem negociar essas CPRs, aumentando a liquidez do mercado. São basicamente Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA).

Os outros títulos que as CPRs lastreiam são as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), emitida pelos bancos, e os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), operações estruturadas pelas securitizadoras.

Última atualização por Gustavo Kahil - 05/07/2019 - 18:42