Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ferbasa avança mais de 1% com plano de investimentos de R$ 500 mi em três anos

Investing.com Brasil - 10/07/2019 - 15:16
Ferbasa
Os investidores receberam bem a notícia publicada no Valor Econômico informando que vai investir R$ 500 milhões nos próximos três anos para reduzir os seus custos e aumentar a escala de produção.

Por Investing.com

Na parte da tarde desta quarta-feira as ações da Companhia de Ferro Ligas da Bahia, Ferbasa (FESA4), operam com valorização de 1,44% a R$ 23,31 na bolsa paulista. Os investidores receberam bem a notícia publicada no Valor Econômico informando que vai investir R$ 500 milhões nos próximos três anos para reduzir os seus custos e aumentar a escala de produção.

Em entrevista ao jornal, presidente da companhia, Márcio Barros, afirmou que a meta da companhia é, até 2021, ter toda a sua produção de ferroliga verticalizada, com extração de minério, geração de energia e fabricação de coque metalúrgico.

No ano passado, a Ferbasa produziu 263,56 mil toneladas de ferroligas, sendo a maior parte de ligas de cromo e o restante de silício. Esse volume foi 11,6% maior que o apurado em 2017. Outra frente da companhia para melhorar o desempenho operacional é a extração do minério de cromo. O plano da companhia é aumentar a produção de concentrado de cromo, em três anos, em cerca de 20 mil toneladas por mês.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Atualmente, a companhia produz 42 mil toneladas de concentrado de cromo mensalmente e a meta é chegar a 60 mil a 61 mil toneladas do produto em 2021. Na produção de liga de silício, a Ferbasa planeja dobrar o volume em três anos.

Na visão dos analistas da corretora Mirae Asset, é esperado um maior crescimento de resultado para a empresa a partir de 2020 e no geral, essas metas devem impulsionar o resultado a partir de 2020. Eles seguem recomendando a compra com visão de médio /longo prazo.

Última atualização por Bruno Andrade - 10/07/2019 - 15:16