Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petrobras recolhe 133 toneladas de resíduos oleosos das praias do Nordeste, diz CEO

08/10/2019 - 12:47
Roberto Castello Branco
Até agora, é um fenômeno muito estranho. É um desastre muito preocupante para todos nós, disse Castello Branco (Imagem: Roberto Castello Branco)

A Petrobras (PETR3PETR4) recolheu 133 toneladas em resíduos oleosos de origem misteriosa que atingem as praias do Nordeste há mais de um mês, afirmou nesta terça-feira o presidente da petroleira estatal, Roberto Castello Branco, que qualificou como “estranho” o surgimento das manchas no litoral.

O executivo disse que o centro de pesquisas da companhia analisou 23 amostras do óleo ao longo do último mês e concluiu que nenhuma delas teria sido produzida ou comercializada pela Petrobras.

“Até agora, é um fenômeno muito estranho. É um desastre muito preocupante para todos nós”, disse Castello Branco, ao participar de audiência pública da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados sobre a venda de ativos da empresa.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Mais cedo nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o petróleo parece ter sido despejado criminosamente na região, uma vez que o fluxo de óleo seria constante caso tivesse origem em vazamento por um navio afundado, o que não tem se verificado.

Na véspera, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que equipes dos órgãos ambientais Ibama e ICMBio haviam recolhido mais de 100 toneladas de borra de petróleo no litoral do Nordeste desde o início de setembro.

As manchas já ameaçam 600 filhotes de tartarugas marinhas que nasceram nas praias de Sergipe e Bahia, que têm sido retidos em seus ninhos para não haver contato com o óleo, disse à Reuters um representante do Projeto Tamar, organização não governamental que atua pela preservação da espécie.

O porta-voz do Greenpeace para assuntos de clima e energia, Thiago Almeida, criticou na véspera o governo pela demora em identificar a origem do petróleo e evitar os danos, lembrando que o país se prepara para realizar três grandes leilões de áreas de petróleo ainda neste ano.

Última atualização por Lucas Simões - 08/10/2019 - 12:51