Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Apesar de deflação em novembro, Brasil tem 4ª maior inflação da América Latina

Diana Cheng - 07/12/2018 - 16:22

Após a divulgação do mais novo IPCA, indicador oficial de inflação do país elaborado pelo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a consultoria Análise Econômica propôs trazer uma reflexão sobre o assunto e mostrar que, apesar do quadro positivo apresentado pela economia nos últimos meses, nem tudo são flores.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Em novembro, o IPCA registrou o menor nível desde a implantação do Plano Real, com queda de 0,21%. Atualmente, vem acumulando alta de 4,05% nos últimos doze meses, o que o coloca 0,5% abaixo do centro da meta de inflação brasileira, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). No entanto, ao comparar com os indicadores de outros países da América Latina, a inflação brasileira só perde para as da Venezuela, Argentina e Uruguai.

André Galhardo, economista-chefe da Análise Econômica, diz que o Brasil está bem próximo do centro da meta e chama a atenção para os quase 13 milhões de pessoas desocupadas e à fraca produção de alguns setores, como é o caso da indústria.

“Parte significativa da queda dos preços dos últimos meses vem de itens cujas variações causam perturbações transitórias ou autocorrigíveis e que têm pouca relação com os movimentos mais permanentes de preços, a saber, os alimentos e os combustíveis”, afirma Galhardo.

A queda dos preços dos combustíveis, decorrente da dinâmica internacional, e de energia elétrica, por conta das fortes chuvas, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), foram as principais causas do recuo do índice inflacionário geral.

Em relação a este ano, o mercado está na expectativa para que a inflação feche com alta de 3,89%. “Aguardemos a retomada do crescimento com a cautela de saber que a inflação no Brasil é um problema pretérito, mas não morto”, conclui o economista-chefe.