Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Fala de Maia sobre Previdência amplifica perdas do Ibovespa

Investing.com Brasil - 11/04/2019 - 19:33
O Ibovespa caiu 1,25% a 94.754,70 pontos, se distanciando novamente dos 100 mil pontos atingido em 18 de março (Imagem: Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Por Investing.com

Expectativa em relação ao avanço da reforma da Previdência é o principal fator de avaliação do prêmio de risco dos investidores no Ibovespa. Não adiantou o presidente Jair Bolsonaro entregar durante a manhã uma medida que o mercado demanda há tempos – projeto de lei que garante a autonomia operacional do Banco Central – em solenidade dos 100 dias de governo no Palácio do Planalto.

Bastou, entretanto, uma fala negativa do presidente da Câmara Rodrigo Maia à tarde sobre a articulação do governo com o Congresso para que o principal índice acionário brasileiro amplificasse as incertezas do exterior em meio a alertas dos principais bancos centrais sobre crescimento econômico e expectativa com a temporada de balanços. O que significa, tampouco, que a relação entre Executivo e Legislativo estivesse em linha para aprovar as novas regras da aposentadoria.

Continua depois da publicidade

Como declarar investimentos no IR? Baixe agora o nosso guia completo

O Ibovespa caiu 1,25% a 94.754,70 pontos, se distanciando novamente dos 100 mil pontos atingido em 18 de março. O dólar seguiu o fortalecimento no exterior e encerrou em alta de 0,87% a R$ 3,8569. O real foi a segunda moeda emergente com maior desvalorização, sofrendo com a queda das commodities no exterior, logo atrás da lira turca, que sofre com instabilidade institucional.

Reforma da Previdência e equilíbrio fiscal

Rodrigo Maia afirmou em um evento organizado pela XP Investimentos, em Nova York, que a comunicação do governo com os parlamentares tem sido precária, mas estava melhorando. Ainda falta ao governo, segundo Maia, diálogo com o Congresso, e citou que quando o presidente da República, Jair Bolsonaro, é duro com o Congresso, há reação. No mesmo evento, afirmou, entretanto, que está otimista que a proposta que visa gerar uma economia de R$ 1 trilhão em 10 anos seja aprovada, e que a retirada do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e da aposentadoria rural facilitaria o processo ir a plenário no primeiro semestre.

A fala de Maia veio no mesmo dia que a Folha de S.Paulo informa que o presidente Bolsonaro vai assumir a articulação da reforma com o Congresso, prosseguindo com encontro de lideranças partidárias e abrindo maior espaço na agenda para receber parlamentares. O presidente terá que convencer os parlamentares a não colocar a PEC do Orçamento impositivo à frente da reforma da Previdência na CCJ. Caso isso aconteça, será mais uma semana de atraso. O debate do parecer do relator da reforma da Previdência na CCJ está agendado para semana que vem, dia 17 de abril.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Ante à possibilidade de desidratação da proposta original, o governo vai buscar outras medidas para buscar o equilíbrio fiscal. Ontem o secretário do Tesouro Nacional Mansueto Almeida disse que o mercado pode ficar satisfeito com uma reforma que gere economia de R$ 700-800 bilhões, mas que ela é insuficiente para o governo.

Em relatório divulgado hoje pelo Ministério da Economia, que consultou economistas do mercado, houve uma piora na expectativa de déficit primário para 2019 e 2020, mas ainda abaixo da meta estipulada pelo governo de Michel Temer, de R$ 139 bilhões. O Relatório Prisma aponta que a expectativa para o déficit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) passou a R$ 100,456 bilhões em 2019, acima dos R$ 98,175 bilhões projetados em março. Para 2020, a expectativa é de um rombo primário de R$ 68,974 bilhões, ante déficit de R$ 68,406 bilhões no mês anterior. Em 2020 não houve definição de uma meta, que será definida na próxima Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Ações

Das 66 ações que compõem o índice Ibovespa, apenas 13 tiveram ganhos, enquanto 50 operaram no negativo (3 fecharam estável). A B2W (BTOW3) foi a maior alta, com ganhos de 5,32% a R$ 38,60, em meio de notícias de que a varejista, assim como a Magazine Luiza (MGLU3), está considerando uma potencial aquisição da rival online Netshoes.

A CCR (CCRO3) foi outro destaque positivo, saltando 2,41% a R$ 12,75% após o governador de São Paulo, João Doria Jr., afirmar que deve antecipar a renovação das concessões cujos contratos se encerram em 2022. Em contrapartida, o governo de São Paulo vai solicitar redução do preço dos pedágios e a instalação do modelo de cobrança ponto a ponto, tornando o preço do pedágio mais flexível.

Na ponta negativa, Cemig (CMIG4) perdeu 1,43% a R$ 14,46%, com a deflagração da operação “E o Vento Levou” da Polícia Federal, 4º fase da Descarte, em que investiga o desvio de dinheiro por meio de um aporte de R$ 850 milhões na Renova Energia (RNEW11).

A Petrobras (PETR4) acompanhou a queda dos preços do petróleo no exterior e fechou em baixa. A PETR4 perdeu 2,71% e a PETR3 teve queda de 1,3%. Relatório da Agência Internacional de Energia projetando instabilidade na demanda futura provocou a queda, mesmo com sanções americanas na Venezuela e no Irã e a escalada do conflito na Líbia indicando recuo na produção.

Última atualização por Vitória Fernandes - 11/04/2019 - 19:33