Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Europa: Renault é exposta, Fiat se frustra com intromissão da França

Investing.com Brasil - 06/06/2019 - 8:08
( Imagem: Facebook oficial Renault)

Por Geoff Smith / Investing.com

Uma aliança global de carros de sucesso não pode ser administrada por políticos e burocratas franceses.

Essa parece ser a mensagem que a Fiat Chrysler (NYSE:FCAU) enviou com a repentina retirada de sua oferta de fusão com o Groupe Renault (PA:RENA).

Continua depois da publicidade

“Tornou-se claro que na França não existem atualmente condições políticas para que essa negociação prossiga com sucesso”, disse a FCA em comunicado à imprensa, depois que representantes do governo francês pediram para adiar a votação sobre a aceitação dos termos da fusão.

Os delegados do governo e os representantes trabalhistas franceses foram os únicos membros do comitê que se opuseram ao negócio, de acordo com o Financial Times.

O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, já havia pressionado buscando mais garantias para manter o máximo possível das atividades futuras da empresa na França, apesar de inicialmente ter sinalizado sua aprovação para o acordo.

O Wall Street Journal relatou que pessoas próximas à empresa norte-americana-italiana buscavam “mudar as prioridades” e queriam a última palavra em tudo.

O colapso das negociações deixa todo mundo pior, mas atinge mais a Renault. A queda é de 6,74%, enquanto a FCA está em queda de 1,05%.

A referência, o Euro Stoxx 600 sobe 0,64% em 376,48, com sinais crescentes de suporte para os mercados dos bancos centrais (a Índia cortou as taxas de juros na quinta-feira, enquanto muitos esperam que o BCE as afrouxe mais tarde). O CAC 40 sobe 0,64% e o FTSE MIB avança 1,06%.

Não apenas a FCA a foi criticada publicamente por estar presa a uma distorção de tempo nacionalista-dirigista, mas o fez depois que a gerência da Renault ofendeu a parceira de longa data da Nissan, sem contar sobre as negociações da FCA. (As reclamações da Nissan sobre uma quebra de confiança vão se encontrar com sorrisos irônicos na França depois do tratamento dado pelo Japão a Carlos Ghosn nos últimos meses.)

Le Maire disse ao BFMTV na quarta-feira que vale a pena gastar tempo para acertar as coisas. Ele deve comparecer ao Japão para uma reunião do G20 no fim de semana e, sem dúvida, aproveitar a oportunidade para pressionar o caso da oferta de fusão da Renault para a Nissan que os japoneses rejeitaram.

Sincronia é tudo: uma combinação formal das empresas francesas e japonesas lhes daria a vantagem em qualquer negociação subsequente com a FCA. Por outro lado, a Nissan teria perdido o poder de barganha com seu parceiro europeu, caso a fusão da FCA-Renault tivesse ido adiante.

Uma coisa é certa: o raciocínio estratégico para a fusão não desapareceu, já que os custos de transição para um futuro de carro elétrico e autônomo não estão diminuindo (segundo o anúncio da BMW sobre a cooperação com a Jaguar Land Rover em motores elétricos e motores).

É provável que as conversas certamente serão retomadas de uma forma ou de outra. A questão para as duas empresas, no entanto, é como elas podem fortalecer suas próprias posições nesse meio tempo, em um mercado global que está tropeçando muito.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você