Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Europa: O espírito de Marchionne vive no acordo FCA-Renault

Investing.com Brasil - 27/05/2019 - 8:37

 

Convencer a Nissan e a Mitsubishi de que não há alternativa de longo prazo para uma integração mais profunda com a Renault

Por Geoffrey Smith/Investing.com

Sergio Marchionne pode ter ido embora, mas seu espírito continua vivo.

O ex-chefe da Fiat certamente teria aplaudido o plano de seu sucessor por outra fusão transformadora para resolver os problemas de redução da demanda e grandes obrigações de investimento, à medida que a mobilidade se torna elétrica, autônoma e conectada.

Continua depois da publicidade

A cartada mais forte da FCA’s (NYSE:FCAU) é a eficiência extra que tal escala cria: estima as sinergias anuais em mais de 5 bilhões de euros, além daquelas que aRenault (PA:RENA) atualmente goza com o seu parceiro de fusão Nissan (T:7201). Um FCA-Renault combinado seria o terceiro maior grupo automotivo do mundo por trás da Toyota (T:7203) e Volkswagen (DE:VOWG_p).

Mas – mais importante – também poderia convencer a Nissan e a Mitsubishi (T:8058) de que não há alternativa de longo prazo para uma integração mais profunda com a Renault. Isso poderia aumentar ainda mais as eficiências de escala.

Mas, assim como muitos dos grandes projetos de Marchionne, a decisão da Fiat Chrysler sobre a Renault corre o risco de ser prejudicada pelos detalhes – e pelo grande número de peças móveis no negócio.

A decisão da Fiat Chrysler sobre a Renault corre o risco de ser prejudicada pelos detalhes

Primeiro, há a promessa de não fechar fábricas. Isso ocorre após um período de seis meses em que – de acordo com os cálculos da Bloomberg – montadoras globais anunciaram cortes de 38.000 empregos. Desses, apenas 1.500 vieram da FCA e nenhum da Renault.

As duas empresas estão atrasadas na corrida para cortar custos e essa promessa reduz sua capacidade de extrair o máximo benefício do acordo (embora seja evidente que não há promessa sobre a segurança dos empregos de colarinho branco)

Em segundo lugar, há a questão da propriedade: o Financial Times citou uma autoridade do governo francês não identificada dizendo que o governo não se opõe ao acordo, mas a participação do Estado francês seria diluída em uma empresa incorporada, e seria apenas o segundo maior acionista atrás da Exor, a holding da família Agnelli agora administrada por Johann Elkann. A FCA tentou abordar as preocupações de controle ao propor um conselho de 11 membros com quatro membros da FCA e da Renault, e mais um da Nissan.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

De qualquer maneira, os mercados decidiram que gostaram da ideia, e empurraram a Renault 13,7% mais alto na manhã de segunda-feira, enquanto a FCA subiu 9,9%.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

APeugeot (PA:PEUP), que poderia ver sua posição competitiva em risco, caiu 2,6%. Isso está ajudando a Itália a liderar os mercados acionários da Europa em uma manhã em que o ânimo foi levantado pela exibição razoavelmente forte dos partidos de centro nas eleições para o Parlamento Europeu.

Enquanto isso, FTSE 100 do Reino Unido 0,9%, enquanto o índice francês CAC 40subia 0,3%. A referência, o Euro Stoxx 600, que inclui muitas ações do Reino Unido que não estão sendo negociadas hoje devido ao feriado bancário local, subiu 0,4% para 377,32 a partir das 5h30

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você