Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Europa: Deutsche Bank anuncia hora de fechar seus sonhos de Wall Street

08/07/2019 - 9:32
Deutsche Bank
Ações do Deutsche Bank  nesta segunda-feira  atingiram o maior nível em dois meses (Imagem: Money Times)

Por Geoffrey Smith/ investing.com

As ações do Deutsche Bank (DBKGn) atingiram o maior nível em dois meses na segunda-feira após anunciar uma revisão geral no fim de semana que reduzirá seu balanço em mais de 20 % e sua força de trabalho em um quarto.

O banco está anunciando o fechamento em uma campanha de 20 anos para ser um dos bancos de investimento dominantes do mundo, uma loucura destrutiva e ambiciosa que resultou na destruição maciça do valor para os acionistas, ao mesmo tempo em que enriqueceu uma sucessão de altos executivos e investidores.

As ações subiam 2,5% em uma manhã em que boa parte da Europa caiu, e agora estão acima de 20% desde que os detalhes dos planos começaram a vazar em junho. O Dax da Alemanha cai 0,30% enquanto o enquanto o índice de referência Euro Stoxx 600 abriu a semana efetivamente estável.

O anúncio marca uma mudança na direção do maior banco da Alemanha, que há anos reluta em cortar uma unidade que tem lutado constantemente para cobrir seus custos, e que tem sido a fonte de uma série de escândalos caros que custaram bilhões em acordos legais.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A reestruturação é ainda maior do que os vazamentos antecipados sugeriram: o banco conseguirá parte dos 72 bilhões de seus 347 bilhões de euros em ativos ponderados pelo risco em uma unidade que será desativada até 2022. O banco espera que a “unidade de lançamento de capital” – um eufemismo para o banco ruim – liberte 5 bilhões de euros para os acionistas a partir de 2022, mas está pedindo a eles que não paguem dividendos nos próximos dois anos.

Quando a reestruturação for concluída, o Deutsche Bank será uma instituição muito mais conservadora, focada em atender às necessidades da Alemanha corporativa, uma visão que o CEO Christian Sewing chamou de retorno às raízes do banco.

O banco deverá ter que mobilizar menos capital, mas ainda terá dificuldades para obter lucro, dados os fundamentos do mercado bancário alemão.

A administração só espera um retorno sobre o patrimônio tangível de 8% até 2022 (em comparação com uma meta original de 10% já no próximo ano).

A realidade é que o banco não pode simplesmente voltar o relógio. Quando começou sua busca pela dominação mundial na década de 1990, tinha participações acionárias significativas em uma longa lista de empresas domésticas que lhe davam uma influência inigualável em suas diretorias.

No mundo globalizado de hoje, onde as finanças geralmente são uma commodity como as outras, as empresas DAX têm muitas outras opções e não têm medo de usá-las: o banco ficou marginalizado na troca de ativos entre as duas maiores empresas de energia da Alemanha, a RWE e E.On, no ano passado.

Mais importante ainda, com o Banco Central Europeu prestes a reduzir as taxas de juros abaixo de zero, seu principal negócio de empréstimos terá dificuldades para gerar muito lucro nos próximos anos.

As ações podem ter em alta esta manhã, mas elas ainda estão abaixo de 90% de seu pico. O legado de sua ambição mal julgada é que o mercado agora o coloca com apenas 5% do JPMorgan Chase & Co (NYSE:JPM), contra o qual uma dia aspirava a se comparar.

Última atualização por Rafael Borges - 08/07/2019 - 9:32