Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Europa: Air-France-KLM derruba cias aéreas com medo de excesso de capacidade

Investing.com Brasil - 09/09/2019 - 9:48
Ações da Air France em queda nesta segunda feira depois de um relatório de que tentará resgatar a companhia aérea falida da Aigle Azur (Divulgação/Facebook da GRU Airport)

Por Geoffrey Smith/Investing.com

Está sendo uma segunda-feira miserável e maníaca para ações de companhias aéreas em toda a Europa, graças a um triplo golpe de más notícias da França, Alemanha e Reino Unido.

O maior perdedor no início do pregão foi a Air France-KLM (AIRF), que cai 8,76% depois de um relatório de que tentará resgatar a companhia aérea falida da Aigle Azur. A EasyJet (EZJ), que também estava ligada à uma oferta pela Aigle Azur,em baixa de 1,87%.

As notícias ameaçam ser uma reedição – ainda que em menor escala – do fiasco da Air Berlin há dois anos, quando as companhias aéreas da Europa desperdiçaram uma oportunidade de ouro para resolver problemas de excesso de capacidade no segmento de curta distância e, em vez disso, dividiram os ativos de operadores em colapso entre elas em uma tentativa de conquistar participação de mercado.

Como no episódio da Air Berlin, há a suspeita de que o governo se apoie no campeão nacional local (na ocasião em Berlin, a Lufthansa; e agora em Paris, a Air France-KLM) para encontrar alguma solução que minimize a perda de empregos.

O momento do relatório é lamentável, de qualquer maneira. A Air France-KLM publicou números decepcionantes de tráfego para agosto anteriormente, mostrando que a desaceleração econômica está afetando fortemente seus negócios.

O número de passageiros transportados pelo grupo franco-holandês aumentou apenas 1% em relação ao ano anterior. Nos primeiros sete meses do ano, aumentaram 3,2%.

O crescimento de passageiros não está mais acompanhando o crescimento da capacidade da AF-KLM: os assentos-quilômetro disponíveis aumentaram 1,6%. Em outras palavras, o grupo está tendo mais assentos vazios em todo o mundo – então, pode-se pensar que não é o melhor momento para comprar mais capacidade não econômica.

Lembretes dos problemas recorrentes do setor com o excesso de alcance foram suficientes para reduzir a Ryanair (RYA), a Norwegian Air Shuttle (NWC) e a Wizz Air (WIZZ) em mais de 2% cada.

A Lufthansa da Alemanha teve um desempenho relativamente bom, perdendo apenas 1,9%. Apesar dos comentários da chefe dos democratas-cristãos da Alemanha no domingo, ela apoiou um novo imposto sobre vôos para reduzir as emissões de carbono. Annegret Kramp-Karrenbauer disse em entrevista à emissora estatal ARD que uma taxa sobre os vôos poderia ser “uma maneira” de avançar, além de reduzir o imposto sobre valor agregado em transportes ferroviários menos produtores em carbono.

A França já introduziu um imposto relacionado ao carbono nos vôos no início deste verão, e uma reaproximação da política entre os dois maiores países da UE poderia abrir caminho para uma iniciativa pan-europeia de limitar as emissões de um setor em que elas ainda estão crescendo rapidamente.

A terceira parte da segunda-feira de golpe triplo afetou apenas uma empresa: o International Airlines Group (ICAG) que caía 1,8% quando os pilotos da British Airways começaram sua maior greve em mais de 40 anos, em busca de salários mais altos e melhores condições de trabalho. Essa notícia, no entanto, tinha sido prevista pelo mercado.

Enquanto isso, os mercados da Europa eram confusos, com a referência Stoxx 600 praticamente inalterada em 387,24. O FTSE MIB lidera os ganhos, com um aumento de 0,16% em relação ao seu nível mais alto desde o final de julho. O Reino Unido FTSE 100 cai 0,67%, juntamente com o francês CAC 40, enquanto o alemão DAX sobe 0,37%.

Última atualização por Rafael Borges - 09/09/2019 - 9:51