Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Estados Unidos prepara sanções à Turquia por tensão na Síria, apontam fontes

14/10/2019 - 15:06
EUA Estados Unidos
O governo Trump também está deixando em aberto a opção de sanções destinadas a transações militares, exportação de armas e remessa de energia para os militares turcos (Imagem: REUTERS/Ammar Awad)

Os Estados Unidos estão prestes a impor sanções à Turquia, em resposta à incursão do país na Síria e relatos de atrocidades contra curdos aliados do governo norte-americano, segundo pessoas a par do assunto.

A rodada inicial de penalidades provavelmente seria direcionada a um amplo grupo de indivíduos e aguarda a aprovação do presidente Donald Trump, de acordo com uma das pessoas. Os departamentos de Estado, de Defesa e do Tesouro trabalharam no fim de semana para redigir os termos, disseram as pessoas.

O governo Trump também está deixando em aberto a opção de sanções destinadas a transações militares, exportação de armas e remessa de energia para os militares turcos, disse outra pessoa. Todas as pessoas falaram sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto.

O Tesouro e a Casa Branca não fizeram comentários imediatos.

A Turquia continuou a escalar sua incursão no norte da Síria, enquanto a decisão de Trump de retirar abruptamente as tropas reverbera por toda a região. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, diz que sua ofensiva é necessária para afastar os militantes curdos e abrigar os refugiados, mas o rápido avanço atraiu criticismo internacional e acusações de crimes de guerra.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Críticos dizem que Trump deu a Erdogan luz verde para atacar milícias curdas aliadas dos EUA, arriscando um ressurgimento do Estado Islâmico e um massacre dos curdos. As forças curdas, que anteriormente lutaram ao lado dos EUA, alertaram que podem não ser mais capazes de manter campos e prisões com jihadistas do Estado Islâmico, incluindo europeus cujos países de origem não os querem de volta.

Última atualização por Vitória Fernandes - 14/10/2019 - 15:14