Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Entre correções, nada pode deter recuperação e tendência de alta do Ibovespa

23/09/2019 - 10:01
Analistas técnicos avaliam perspectivas para Ibovespa e dólar (Imagem: Bloomberg)

O mercado acionário no Brasil segue a tendência de recuperação, com tendência de alta bem consolidada e beirando o topo histórico.

A avaliação é de José Falcão C. Castro, da Inversa Publicações, em relatório de análise técnica e evidencia o otimismo em torno da performance do Ibovespa.

“Conforme comentado desde o início do mês, o Ibovespa, de forma gradual vai consolidando o movimento ascendente, o momento continua positivo, porém correções naturais podem acontecer antes de atingir novos recordes”, afirma Castro.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

A resistência para o índice é a casa dos 106.650 pontos, com suporte em 102.780 pontos. Para o analista, tanto a tendência terciária (de curto prazo) quanto a primária (de longo prazo) são de alta.

Formação positiva

Em linha, a Bradesco Corretora destaca que o índice com formação positiva para o curto prazo, “amparada pelo suporte marcado aos 103.000 pontos”.

“Do lado superior, vindo acima de 106.600 pontos (máxima histórica), o índice ficaria livre para buscar um primeiro objetivo aos 108.000 e olhando mais adiante, até o final de outubro, já poderia estar próximo do teto de seu canal de alta mais longo, iniciado em julho de 2018 e que projeta na região dos 113.000 pontos”, afirmam os analistas técnicos.

Por outro lado, do lado inferior, caso o índice perca o suporte dos 103.000 pontos, “o Ibovespa poderia recuar até a linha dos 101.600 pontos, onde poderá lateralizar antes de voltar a reagir”.

Dólar em alta

Em relação ao dólar, Castro avalia as tendências primária e terciária com viés de alta. “Um Banco Central brasileiro com política monetária mais frouxa e um Fed mais conservador, que não dá garantias de novas quedas do juro americano, formam a combinação perfeita para desvalorização do real”, explica o analista.

“A redução do diferencial das taxas nos EUA e no Brasil afeta o carry-trade, e essa falta de atratividade não é positiva para o fluxo, sobretudo, no cenário de desaceleração global e, internamente, de PIB fraco”, completa Castro.

A resistência para a moeda é de R$ 4,195 (último topo), com suporte em R$ 4,031.

 

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 23/09/2019 - 10:05