Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Está pensando em “voto útil”? Leia isto antes

Victor Fermino - 14/09/2018 - 11:53

O voto útil se tornou definitivamente uma pauta de debate no meio das eleições. A ideia de votar em um candidato que não é o seu favorito, apenas para impedir a ascensão de um adversário, é muito cogitada em eleições nas quais a taxa de rejeição é alta.

Veja a íntegra da nova pesquisa eleitoral XP/Ipespe

Para a existência do voto útil, é importante que existam candidatos expressivamente rejeitados por uma grande fatia do eleitorado. Ao mesmo tempo, é necessário que exista uma segunda ou terceira opção com força o bastante para bater de frente com o candidato rejeitado.

Continua depois da publicidade

De acordo com uma análise da MCM Consultores, as principais categorias de voto útil são: contra o PT, contra Bolsonaro e contra a direita. No caso do voto útil contra o PT, os beneficiados são Geraldo Alckmin, Marina Silva, Jair Bolsonaro e Ciro Gomes.

Voto útil anti-PT

“À primeira vista, Alckmin é quem tem mais chance de captar o voto útil contra o PT. Mas ele precisa subir um pouco mais nas pesquisas e ficar próximo a 15% a fim de motivar a adesão de eleitores que avaliam o tucano como mais competitivo que Bolsonaro no segundo turno contra Fernando Haddad”, explica o relatório. Segundo os consultores, Bolsonaro poderá receber o voto anti-PT caso cresça 10 e 15 pontos. Esse crescimento despertaria a impressão de que pode vencer no primeiro turno. Já Ciro e Marina, que também são opções contra o PT, dependem de onde estarão nas pesquisas dos últimos dias da campanha. Para os eleitores que são contra o PT, entretanto, “eles se mostram candidatos muito à esquerda”.

Voto útil anti-Bolsonaro

Quando o voto útil tem o propósito de impedir Bolsonaro, os candidatos que têm chance de crescer são Ciro, Alckmin e Marina. De acordo com o relatório, Ciro é o receptáculo mais provável dos votos anti-Bolsonaro, especialmente quando se trata de eleitores mais à esquerda. Isso porque ele tem maiores chances de derrotar o candidato do PSL do que Fernando Haddad. Para os consultores, Alckmin e Marina podem até receber uma parcela desses votos, mas só se crescerem nas pesquisas.

Voto útil anti-direita

Já no caso de voto útil contra a direita, que busca impedir um segundo turno entre Bolsonaro e Alckmin, as escolhas mais prováveis são Ciro e Haddad. Quem estiver na frente nas pesquisas receberá os votos.

Histórico

O voto útil já fez parte do cenário eleitoral brasileiro: em 2006, Alckmin ganhou quase 6 pontos na última semana de campanha enquanto Lula perdeu 4,7%. De acordo com os consultores da MCM, os eleitores que estavam com Lula não migraram diretamente para Alckmin. “Deve ter havido uma espécie de triangulação, envolvendo os indefinidos”, justifica o relatório. Os analistas acreditam que episódios como o escândalo dos “aloprados”, que envolveu a prisão de integrantes do PT, e a ausência de Lula no debate da Rede Globo desencadearam um movimento de voto útil para impedir a vitória do petista no primeiro turno.

Em 2014, Aécio Neves absorveu eleitores de Marina Silva e cresceu 13 pontos enquanto a candidata vinha caindo após uma ofensiva de campanhas negativas do PT. Como Marina estava mostrando fragilidade num eventual segundo turno contra Dilma Rousseff, alguns dos seus eleitores a abandonaram, acreditando que Aécio teria mais chances.

O que esperar nesta eleição

Neste ano podemos dizer que a primeira condição para o voto útil — candidatos bem rejeitados — já está presente na corrida presencial. Bolsonaro é líder disparado quando se trata de rejeição. Agora que Haddad entrou de vez na disputa, é provável que sua rejeição aumente ainda mais, já que a repulsa ao PT é muito acentuada em muitos setores eleitorais.

“O resultado líquido desses eventuais movimentos não é claro. Nem, obviamente, é certo se o tal voto útil acontecerá”, explica antes de concluir com mais uma previsão. “E, se ocorrer, tampouco é possível apostar que será capaz de alterar o cenário hoje mais provável, qual seja, o de um segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. “

Última atualização por Victor Fermino - 14/09/2018 - 11:59