Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Emergentes devem ser os mais beneficiados na guerra comercial, diz Morgan Stanley

Valter Outeiro da Silveira - 14/10/2019 - 17:31
Divisão de Wealth Management analisa cenário para investimentos (Imagem: Dario Pignatelli/Bloomberg)

“Considerem adicionar ações de mercados emergentes, que devem ser as mais beneficiadas dos resultados positivos da guerra comercial e da política monetária, além do suporte de valuation e de potencial à recuperação da China“.

A avaliação é do Morgan Stanley Wealth Management em relatório desta segunda-feira (14) e obtido pelo Money Times, no qual a equipe liderada pela CIO (Chief Investment Officer) Lisa Shallett avalia as perspectivas para os mercados acionários e para os investimentos.

O banco norte-americano destaca que o índice S&P 500 navega nos últimos 22 meses entre o patamar de 2.800 e 2.950 pontos, apresentando certo marasmo dentro das entrelinhas da guerra comercial e dos possíveis cortes do juro básico pelo Federal Reserve.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

À espera

Morgan Stanley Wealth Management compara S&P 500 a peça de teatro (Imagem: Pixabay)

Em paralelo, Shallett cita a peça de teatro “Esperando Godot”, no qual os dois protagonistas aguardar eternamente por um indivíduo que nunca chega.

“Mesmo quando dito que Godot não apareceria, os protagonistas continuam a esperar. De forma interessante, a peça fornece a nós insight interessante sobre o mercado acionário”, aponta o Morgan Stanley Wealth Management.

A insistência do S&P 500 dentro do intervalo listado é resultante, na avaliação do banco, de um colapso no comércio internacional, o que reduz o investimento e afeta negativamente as exportações.

Fed e lucros

Jerome Powell poderá ficar sem munição para novas crises  (Imagem: Stefan Wermuth/Bloomberg)

Em relação ao Federal Reserve, a CIO avalia que o “impacto agregado dos cortes nas taxas básicas de juro foi somente metade do que o esperado”. Além disso, ocorre atualmente “intensificação dos ventos contrários à tendência de dólar forte”.

O Morgan Stanley Wealth Management pondera que os investidores precisam de expansão de lucros para existir valorização dos mercados acionários. Contudo, a projeção dos lucros das empresas na NYSE apresenta expectativa de queda nos ganhos de 6% na relação ano a ano.

“Neste momento, queremos ver valuation e catalisadores mais do que mudanças dentro da política monetária”, aponta a equipe de análise.

Além disso, conforme os juros se aproximam do zero, reduz-se a munição existente dentro dos bancos centrais para futuras crises, segundo Shallett.

Menos inflação

Consumidor Supermercado Consumo Inflação Economia
Expectativa de menor variação no nível de preços é destacada (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Para o Brasil, a percepção da tendência inflacionária passou de neutra para negativa, com as leituras inferiores dos índices de preços. Com isso, crescem projeções de queda na inflação.

O momentum do crescimento econômico é neutro, com expectativa de aceleração. A curva de juros está steep (rendimentos mais elevados nos pontos de curto prazo), com tendência de flattening (expectativa de juros mais altos nos pontos mais distantes de longo prazo).

Tanto a confiança quanto a liquidez do sistema financeiro permanecem neutras, porém com expectativa de queda. O valuation parece “caro” e a projeção de lucros “anêmica”, mas com projeção de melhora.

A estabilidade política fornece suporte à recuperação econômica, e os investidores devem ser propensos ao risco, na avaliação do Morgan Stanley Wealth Management.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 14/10/2019 - 17:31