Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Dona da Timberland e da Vans diz que não comprará mais couro brasileiro

Reuters - 29/08/2019 - 12:07
Timberland
Os incêndios na amazônia fizeram que a empresa deixasse de comprar couros do Brasil  (Imagem: Bloomberg)

A empresa norte-americana controladora das marcas Timberland, Vans e Kipling disse nesta quinta-feira que não comprará mais couro brasileiro de forma direta, enquanto incêndios na Amazônia levantam questionamentos sobre a gestão ecológica na maior floresta tropical do mundo.

Milhares de incêndios florestais na região amazônica vêm ocorrendo há semanas, o que já levou a um exame mais aprofundado da indústria brasileira de carne bovina, um dos principais motores econômicos do país.

A holding VF Corp afirmou que retomará a compra de couro do Brasil quando tiver “confiança e garantia de que os materiais utilizados em nossos produtos não contribuem para os danos ambientais no país”.

A medida foi um dos primeiros sinais de um impacto econômico concreto da controvérsia sobre os incêndios, que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro afirmou estarem sob controle.

Em comunicado enviado à Reuters, a VF Corp alegou não ter podido comprovar que a origem desta matéria-prima obedeça a “requisitos responsáveis”.

“Assim, a VF Corporation e nossas marcas decidiram não adquirir mais diretamente couro e peles do Brasil para nossos negócios internacionais até termos confiança e garantia de que os materiais utilizados em nossos produtos não contribuem para os danos ambientais no país”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A VF Corporation, como é conhecida a holding, disse que retomaria a compra de couro do Brasil quando “tivermos a confiança e garantia de que os materiais utilizados em nossos produtos não contribuem para os danos ambientais no país”.

Leia mais sobre: Empresas, Internacional, Reuters

Última atualização por Rafael Borges - 29/08/2019 - 12:07