Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Deputados querem titulação de terras quilombolas antes de acordo sobre Base Espacial de Alcântara

Agência Câmara - 08/07/2019 - 19:57
Ao todo, 29 comunidades quilombolas temem ser remanejadas devido ao acordo que Brasil e Estados Unidos firmaram em março para o lançamento de foguetes e satélites norte-americanos (Imagem: Wikiamedia Commons)

Em diligências no Maranhão, deputados da Comissão de Direitos Humanos da Câmara cobraram a titulação de terras quilombolas no entorno da Base Espacial de Alcântara. Eles visitaram as comunidades Mamuna e Marudá nos últimos dias 4 e 5 juntamente com representantes dos Ministérios Públicos da União e do estado.

Ao todo, 29 comunidades quilombolas temem ser remanejadas devido ao acordo que Brasil e Estados Unidos firmaram em março para o lançamento de foguetes e satélites norte-americanos a partir de Alcântara. Segundo os deputados, os cerca de 2 mil quilombolas da região estão apreensivos com os efeitos do possível uso comercial da base espacial.

Antes da ratificação do acordo pelo Congresso Nacional, o deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) cobrou a imediata titulação de terras quilombolas e as contrapartidas de políticas públicas não atendidas pelo governo brasileiro desde a criação da base espacial, em 1983.

“No acordo em si, não há nada relativo às comunidades quilombolas, nem de bom nem de ruim. Mas a repercussão e os passivos históricos estão em pauta nesse momento. Então, é necessária uma atitude do governo federal para finalmente resolver os passivos já judicializados e que precisam apenas de vontade política do governo para serem resolvidos”.

Os deputados Helder Salomão (PT-ES) e Bira do Pindaré (PSB-MA) também participaram das diligências da Comissão de Direitos Humanos em Alcântara. Na quarta-feira (10), os deputados e os procuradores farão audiência pública em Brasília para articular ações que atendam as reivindicações dos quilombolas. No mesmo dia, deve ser relançada a Frente Parlamentar Mista em Defesa das Comunidades Quilombolas.

O acordo entre Brasil e Estados Unidos (MSG 208/19) já está pronto para votação na Comissão de Relações Exteriores da Câmara. Sob os argumentos de que o texto não fere a soberania brasileira e pode gerar emprego e renda na região, o relator, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), apresentou parecer favorável ao acordo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“É salvação de toda aquela área, não só de Alcântara, mas de toda a baixada maranhense. O próprio Tribunal de Contas da União fez uma fiscalização há pouco tempo sobre a base de Alcântara e chegou à conclusão de que deve ter o acordo de salvaguarda tecnológica para que se viabilize a base espacial. E a base viabilizada vai gerar emprego e consequentemente essas comunidades serão beneficiadas porque fazem parte do município de Alcântara”, argumentou.

Hildo Rocha acrescentou que o acordo entre Brasil e Estados Unidos em torno da base espacial de Alcântara vai inserir o país no mercado mundial de lançamento de foguetes e satélites, com possibilidade de ganhos de 10 bilhões de dólares a partir do ano 2040. Antes de chegar ao Plenário da Câmara, o acordo também será submetido às Comissões de Ciência e Tecnologia e de Constituição e Justiça.

Última atualização por Renan Dantas - 08/07/2019 - 19:57