Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Crítico do acordo com Mercosul, com foco no Brasil, irlandês será comissário de Comércio da UE

Giovanni Lorenzon - 03/10/2019 - 8:26
Delegação brasileira, em Bruxelas, em junho, durante o fechamento do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia – (Imagem: Ministério das Relações Exteriores)

O anúncio de que o novo comissário de Comércio da União Europeia (UE) será o irlandês Phil Hogan deve ser tomado como alerta pelo Mercosul, sobretudo pelo Brasil. O acordo negociado recentemente, sob desconfiança de vários países europeus quanto à política ambiental brasileira, terá como xerife um dos seus principais críticos.

A Irlanda, junto da França, é o país mais refratário a aceitar a negociação fechada em junho, especialmente por ser provedora de parte da carne bovina consumida no continente. E Hogan, ainda atual comissário da Agricultura, foi voto vencido durante as negociações, e agora terá meios para criar mais obstáculos e a conclusão total da costura comercial que levou 20 anos para sair pode demorar mais do que um ano.

A atual comissária de Comércio, Cecilia Malmström, que deixa o cargo ao final de outubro, disse ontem (2), que dificilmente o entendimento entre UE e Mercosul chegue à mesa dos ministros antes do Natal de 2020, portanto quanto muito passaria a valer em 2021.

Além de condicionar a ratificação do acordo lembrando da necessidade de todos os países membros manterem produção agropecuária sustentável – e sem citar o Brasil diretamente – “caso contrário a ratificação pode ser problemática”, a sueca argumentou que os parlamentos precisam aprová-lo.

Primeiro, na Eurocâmara, em Bruxelas, depois os de cada país membro. Especialmente no parlamento comum europeu, que o futuro comissário de Comércio, a partir de 1º de novembro, pode traçar uma nova linha.

Sem falar que na Irlanda, certamente, o acordo será rechaçado pelos parlamentares.

Embora Phil Hogan não deve advogar em “causa própria”, ou seja, ele é representante do bloco e não de um país (a Irlanda, no caso), o poder de postergar e fazer novas exigências não pode ser menosprezado.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 03/10/2019 - 9:15