Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Cripto: por que considerar rotatividade de mercado e fluxos de liquidez?

20/11/2019 - 19:00
Considerar a rotatividade setorial e os fluxos de liquidez é essencial para entender como o mercado funciona (Imagem: Pixabay)

Por Andrew Gillick da Brave New Coin

Como a amplitude dos setores de criptoativos está se tornando tão diversa quanto os mercados tradicionais, é provavelmente uma ótima hora para considerar a rotatividade setorial e os fluxos de liquidez durante certos estágios dos ciclos de mercado — em que o objetivo é desenvolver uma estratégia abrangente e um roadmap (planejamento de desenvolvimento) para selecionar o criptoativo certo na hora certa, para investir ou negociar.

A onda de liquidez gerada pelo febre do ICO entre 2017 e 2018 chegou durante um ciclo de mercado de criptoativos com bem menos diversidade setorial do que agora. Como resultado, “levantou” todos os barcos e, em particular, o ERC-20 e outros utility tokens.

Hoje existem tantos setores de nicho no mercado cripto do que os do mercado tradicional e eles estão se tornando mais demarcados. Liquidez é a capacidade de comprar/vender ativos sem mover o preço significativamente.

Enquanto o mercado cripto amadurece, é improvável que a próxima leva de investidores profissionais e reconhecidos vai pular de cabeça nas classes de criptoativos em uma insinuação de uma demonstração, assim como os investidores varejistas fizeram anteriormente.

Em vez disso, vão irromper em certos setores gradualmente.

Além disso, quando o próximo “ciclo de touros” acontecer, é improvável que vai levantar todos os setores igualmente — haverá aqueles muito na frente e outros muito atrasados em diferentes estágios do ciclo.

Entenda como a liquidez funciona e como ela pode ajudar ou atrapalhar o investidor

Rastreando o fluxo de liquidez

A liquidez é transitória. Existe muita quando a época está boa e existem mais compradores do que vendedores, que pode fazer com que os investidores pensem que a liquidez sempre será boa daquele jeito — até o mercado reverter e todos quiserem fugir.

Em um mercado de baixa (bear market)/evento de liquidez, todas as classes de ativo se tornam, de início, altamente correlacionadas, até mesmo as correlacionadas negativamente.

Uma visão simples de investimento (e de negociação, a certo nível) é a antecipação de para onde o dinheiro vai fluir no mercado. Enquanto é muito difícil saber quando isso acontecerá, é possível pensar nas possibilidades ao avaliar em que estágio estão o sentimento e as condições econômicas.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
O Segredo das Criptomoedas

Podemos tirar o zoom do estado de mercado mais amplo de criptotivos para considerar se é uma boa hora, em termos de liquidez, para investir ou negociar antes de outra onda reflacionar o mercado, criando um melhor ambiente para se vender.

Podemos afastar ainda mais do ciclo de mercado para sobrepor a taxa de adesão do mercado cripto para ver onde estamos em uma tendência secular. Isso é conhecido como “curva S” de adesão, que indica o tempo que demora para uma inovação entrar no mercado e se tornar comum.

Apesar de ser questionável a escolha de analisar o período, se ainda estivermos na fase “pioneira de adoção” como sugerem alguns, então podemos extrapolar que a liquidez permanecerá baixa até a entrada da próxima leva de participantes — a maioria pioneira.

Ao nos movermos mais longe da curva e houver mais entrada de participantes, mais liquidez deve vir.

Liquidez pode ser usada a favor do investidor, mas deve ser analisada com cuidado (Imagem: Pixabay)

Pensando na liquidez como uma estratégia de saída

Liquidez não é nem boa nem ruim. Pode ter vantagens e desvantagens dependendo se você está negociando ou investindo.

Ativos com boa liquidez são mais apropriados para negociantes, já que eles têm um horizonte temporal de curto prazo e é indiscutível que eles podem sair de uma negociação com a mesma facilidade que entraram.

Enquanto os investidores podem usar a liquidez a seu favor, já que têm um horizonte temporal de muitos anos e ganham um “extra” em seus rendimentos, chamado de “liquidez extra”, sobre ativos que não podem ser vendidos imediatamente.

Com isso em mente e, contrariando o instinto da maioria dos investidores varejistas, é recomendado comprar um ativo quando sua liquidez estiver baixa e vendê-lo quando a liquidez estiver alta.

Essa máxima é mais aplicável a investidores do que negociantes, mas a liquidez deve ser um bloco de construção fundamental para entrar em qualquer posição.

Em vez disso, o que geralmente acontece é os investidores comprarem quando todos estiverem comprando — a liquidez é abundante — e venderem quando todos estão fugindo — a liquidez está superbaixa.

Precisamos começar a pensar sobre o horizonte temporal de investimento dos diferentes setores cripto, já que alguns vão demorar mais tempo para perceber seu potencial do que outros.

Se você compra um ativo ou empresa com fundamentos em vez de dinâmicas e históricos de mercado, é melhor pensar como um investidor a longo prazo, pois valorações fundamentais demoram mais para serem precificadas.

Ciclo de vida econômico influencia a rotação do dinheiro nos mercados tradicionais (imagem: inversa)

Horizonte em termos de investimento

O dinheiro nos mercados tradicionais rotaciona por meio de diferentes setores de acordo com qual dos quatro diferentes estágios de um ciclo de vida econômico ele está.

Rotatividade de setor pode ser um precursor no fim ou no início de uma “corrida de touros” e pode ser usada como o início de uma estratégia baseada em macro.

Reconhecendo onde está o mercado em um ciclo e antecipando para quais setores a liquidez vai fluir pode ajudar a projetar os ativos a serem investidos e quanto tempo ficará com eles para atingirem os possíveis rendimentos — ou decidir seu horizonte em termos de investimento.

No momento, os mercados de ações de criptoativos estão em lados opostos do ciclo. As ações e a ampla economia estão no fim da recuperação/início de recessão, enquanto os mercados de criptoativos estão no fim de uma recessão com insinuações de início de recuperação.

A duração das explosões e fracassos no mercado de cripto estão a apenas uma fração dos amplos ciclos acionários e econômicos, com cada pico e declínio demorando menos que um ano, em comparação aos sete anos nos mercados tradicionais.

Isso vai mudar com o amadurecimento do mercado e teremos mais players diversos com portfólios mais fortalecidos, o que deve prolongar os ciclos.

O índice BLX de preço do bitcoin da Brave New Coin, que fornece preço para todo o mercado cripto, analisou os picos e declínios do seu mercado prolongado com cada ciclo por conta da entrada de mais participantes no mercado.

A previsão é de que o próximo ciclo dure 1.158 dias, ou mais de três anos. Com a maturação do mercado nos próximos anos, podemos esperar que o preço de outros criptoativos e setores se tornem menos correlacionados e até invertam com o preço do bitcoin.

Após a febre do ICO em 2017, é possível que os security tokens gerem a próxima febre (Imagem: Pixabay)

Rotatividade no setor cripto

Ainda é muito cedo para criar estratégias definitivas, especialmente com um histórico curto da maior parte dos setores cripto, mas conforme nos aproximamos do fim de uma recessão de cripto, podemos pensar adiante na liquidez desses setores quando o ciclo reiniciar.

Em direção ao fim de um dos últimos ciclos do mercado cripto (segundo semestre de 2017), o dinheiro rotacionou para fora dos criptoativos tradicionais (bitcoin, litecoin, ripple, dash, etc.) e dentro dos novos setores por conta da empolgação e da propaganda feita.

As entradas mais significativas em 2017 foram do setor de contratos inteligentes, já que a febre do ICO foi um fenômeno baseado em Ethereum, e os setores mais conhecidos, como a Internet das Coisas que disparou no último estágio de obsessão do mercado em alta (bull market).

Plataforma de pagamento: Tron, OmiseGo, Dentacoin, Crypto.com, Tenx

Internet das coisas: IOTA, WaltonChain, Request Network, IoTex, Nucleus Vision

Criptoativo: Bitcoin, Ripple, Bitcoin Cash, Litecoin, Stellar

Stablecoin: Tether, True USD, Paxos, Dai, USDC

Contratos inteligentes: Ethereum, EOS, Cardano, Neo, Nem

Desde o início do mercado de baixa no começo de 2018, as stablecoins explodiram em número e volume e tiveram uma grande participação no setor de criptoativos em negociações e como um “porto seguro”.

A empolgação e liquidez das mais intangíveis na rede da Internet das Coisas e dos setores de plataforma de pagamentos, em que os ativos ainda têm poucos casos de uso, sofreram uma grande queda na liquidez da “corrida de touros” de meses anteriores.

Quando obsessões se apoderam dos preços de mercado e a liquidez em todos os criptoativos dispara brevemente, o que não dura muito tempo.

“Futility” tokens são os tokens que possuem pouca chance de serem bem-sucedidos (Imagem: Pixabay)

Como colocar em camadas os níveis de liquidez dos seus criptoativos?

Os preços de utility tokens foram os mais atingidos entre todos os ativos no último estágio dessa “recessão”, e também os mais difíceis de se livrar, com muitos sendo chamados de “futility tokens” já que possuem pouca ou nenhuma chance de acumular valor futuro.

Esses incluem moedas para pagar por serviços de plataformas que ainda irão apresentar um produto, além de encontrar consumidores: armazenamento descentralizado, computação descentralizada, compartilhamento de arquivos, internet das coisas, etc.

Então como sabemos em qual classe de ativos investir para o próximo ciclo cripto?

Não podermos dizer em definitivo que podemos considerar o que acontece no mercado de ações e nos amplos ciclos econômicos e como os investidores rotacionam para fora de certos setores para outros durante diferentes ambientes econômicos.

É importante analisar sempre as movimentações de mercado para saber o melhor momento de investir (Imagem: Pixabay)

Nos mercados cripto, as stablecoins tiveram muito sucesso no último estágio da recessão, em que mais de uma dúzia tenta manter um vínculo com uma fiduciária por meio de diversos mecanismos (algorítmico, apoiados por fiduciárias ou por criptoativos) e é mais do que provável que a corrida para criar a fórmula perfeita vai continuar.

No “início da recuperação” é quando começaremos a ver novos participantes entrando no mercado e a maré de liquidez voltando.

Nos mercados tradicionais, durante estágios iniciais de uma recuperação, a liquidez flui primeiro aos mercados industriais, de energia e de materiais básicos, que vai para infraestrutura de construção para a economia e leva as pessoas de volta ao trabalho.

De forma similar, no início da infraestrutura de recuperação de criptoativos (corretoras, custódia e dados), escalabilidade (sidechains, alternativas de encaminhamento de blocos) e serviços “on-ramp” de fiduciárias (corretoras, aplicativos de dinheiro digital, bancos digitais, carteiras) serão os primeiros serviços com foco em trazer mais pessoas para a economia cripto.

A narrativa prevalente é que a próxima “corrida de touros” de cripto vai vir dos security tokens e dos ativos tokenizados, que possivelmente irá demorar anos até existirem as regulamentadas, e essa corrida vai ser passada para trás por investidores institucionais e reconhecidos.

Na última parte da recuperação e em direção ao mercado, os principais investidores se tornaram mais tolerantes a ações mais arriscadas e exóticas quando a mentalidade da multidão tomar conta e isso possa ser visto nas enormes demonstrações no carregado índice Nasdaq das ações de tecnologia, em comparação ao índice industrial de Dow Jones no último estágio em dois dos últimos ciclos de mercado de ações, desde a explosão da internet (1998-2001) às ações da FAANG (2020-atualmente).

No último estágio de recuperação de cripto, podemos esperar um comportamento parecido de novos produtos e ideias, como a próxima dapp (aplicação descentralizada) e DAO (empresa autônoma descentralizada). Talvez, até alguns “futility tokens” vão ressurgir.

Os setores de cripto para a Internet das Coisas, computação descentralizada, e o compartilhamento de arquivos ainda está anos de distância de ter um caso de uso de mercado já que não há necessidade dessas soluções no mundo real, e é possível que não atinjam seu valor real no próximo ciclo.

O “timing” dessa nova onda de liquidez vai depender do que acontece no amplo mercado e na economia já que serão direcionados por investidores tradicionais imigrantes, que estão mais expostos às ações e aos títulos. Se esses mercados explodirem e haver uma macrorrecessão, então a recessão de cripto poderia durar mais do que o esperado.

Enquanto isso é apenas um guia de como poderíamos analisar o mercado de cripto enquanto ele amadurece com mais diversidade de players e setores, não é para dizer como ele se dará.

Agora é uma boa hora de pensar não apenas na próxima “história de touros” (como security tokens), mas como os amplos ciclos de mercado e os ambientes serão mais favoráveis a alguns setores do que a outros.

(Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento)

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 19/11/2019 - 16:57