Últimas Notícias Cotações Governo Bolsonaro Comprar ou Vender Empresas Economia
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Como investir na sua aposentadoria

Opinião - 23/09/2018 - 11:54

O brasileiro costuma ter uma relação de curto prazo com o dinheiro. Uma pesquisa divulgada recentemente pela Anbima mostrou que, dos 49% dos brasileiros que fizeram algum tipo de investimento em 2017, apenas 5% o fizeram pensando na velhice ou aposentadoria.

É um dado que nos deixa bem preocupados. Uma porque o futuro da previdência pública é incerto. Com a expectativa de vida do brasileiro chegando aos 76 anos em 2018, o IBGE projeta que o país terá mais idosos do que jovens em 2060, o que ocasionaria uma inversão na pirâmide etária. Sendo assim, teríamos uma base da população economicamente ativa menor que o de aposentados, o que torna o desafio do governo em não deixar o sistema previdenciário entrar em colapso muito mais difícil – e aqui, não apenas lá em 2060, mas no curto prazo.

O segundo ponto é a dificuldade em planejar o longo prazo com uma economia historicamente instável. O poder de compra dos brasileiros variou muito nos últimos anos, o que complica um pouco a visão anos a frente. Os R$ 100 de cinco anos atrás não compram as mesmas coisas que hoje, que podem não comprar as mesmas coisas daqui 10 anos. Isso impacta de certa forma no planejamento do investimento em uma aposentadoria que pode chegar só daqui 30 anos, por exemplo.

O terceiro ponto é a cultura do aproveitar o momento. Nós já falamos disso aqui, então nem vamos entrar nos detalhes.

A aposentadoria é um marco na vida das pessoas. É aquele período que você deve recolher os louros por tantos anos trabalhados, de suor, estresse e passar a fazer apenas o que você gosta e tem vontade, sem nenhum tipo de obrigação. Coisa boa, não é?

Então, a não ser que você seja um multimilionário (e mesmo assim, há ressalvas), é bom começar a planejar e executar para usufruir de toda a tranquilidade no futuro que você merece. Abandone o pensamento de curto prazo: você vai viver bastan

te, vai estar cheio de saúde e, quando chegar a hora de se aposentar, se tiver seguido esses passos, vai nos mandar um e-mail nos agradecendo por essas dicas.

Como planejar a aposentadoria

Primeiro passo: quanto você quer ter de renda mensal

Uma aposentadoria confortável é sinal de independência financeira. Ou seja, você poder contar com um valor todos os meses, que será fruto dos seus investimentos ao longo da vida. Mas de quanto você precisará?

— Estudos mostram que a população conseguiria atender suas necessidades após a aposentadoria com aproximadamente 70% da renda atual. Mas com certeza esse é um número que deve ser reavaliado com o passar do tempo, já que a inflação influencia diretamente na renda futura — explica o Product Owner da Warren, Alex Frighetto.

Aqui fica uma dica: no objetivo Renda Mensal no Warren, a projeção da inflação para os próximos anos já é levada em consideração.

Segundo passo: considere o fator tempo

O tempo é um fator precioso para investir na aposentadoria. Quanto mais cedo você colocar seu investimento em prática, menor é o aporte mensal que pode ser dado. Por isso, coloque a mágica dos juros compostos para trabalhar pra você o quanto antes.

Vamos a um exemplo:

Ana tem 25 anos e começou a investir na aposentadoria com um aporte inicial de R$ 1.500. Ela tem um perfil moderado, portanto, investe em um portfólio com 20% em ações e 80% em renda fixa.
Se mantiver aportes mensais de R$ 300, ela terá, aos 60 anos, em torno de R$ 1.175.000 para usufruir da forma que bem entender.

Já o Paulo tem 40 anos e começou a investir na sua aposentadoria agora, com o mesmo aporte de Ana, R$ 1.500, em um portfólio com a mesma alocação. Se ele mantiver os aportes mensais de R$ 300, Paulo terá aos 60 anos, algo em torno de R$ 233 mil. Para conseguir atingir a meta de R$ 1 milhão, Paulo deverá fazer um investimento de R$ 10 mil e seguir com aportes mensais de R$ 1.300.

Viram como o fator tempo é importante? Os juros compostos trabalham com muito mais vontade ao mesmo passo que o seu investimento ganha uma superpotência com ações a longo prazo. Portanto, se você está na casa dos 20, 25 anos, agora é a hora de começar a garantir sua independência financeira quando tiver que parar de trabalhar. Se tiver na casa dos 30, é melhor se apressar. E se você está em torno dos 40, nada de desânimo: se planeje e comece a colocar em prática o que for viável, pois você ainda tem 20 anos para acumular e potencializar seus resultados. Nesse caso, você precisa gastar menos e poupar mais.

Terceiro passo: considere a taxa de retorno

Outro ponto importante a ser considerado é a taxa de retorno do investimento que você for fazer pensando na sua aposentadoria. A rentabilidade dos produtos que você investe está diretamente ligada ao dinheiro que você vai usufruir adiante. Um por cento a mais de taxa de retorno já faz maravilhas acontecerem.

Lembram da Ana? Pois então, se ela aplicasse os mesmos valores na poupança, que está rendendo 4,55% ao ano, aos 60 anos, ela teria R$ 307.283,00 (levando em consideração os juros atuais).

Com a poupança rendendo tão pouco, fica fácil a comparação, mas acredite: existem produtos de investimento tão ruins quanto, que são vendidos no mercado como a oitava maravilha do mundo. Portanto, fique de olho!

Se investisse em produtos com retorno de 8% ao ano = R$ 698 mil
Produtos com 10% ao ano = R$ 1.175.000
Produtos com 15% ao ano = R$ 4.679.851

Mas lembre-se que não existe mágica. É o conjunto de tempo + esforço + boa taxa de retorno.

Como investir?

Como falamos ali em cima, a escolha de bons produtos para investir é fundamental. Portanto, vamos falar de alguns deles.

Renda fixa

Para os mais conservadores, os produtos de renda fixa podem ser boas opções porque contém produtos que aliam segurança e rentabilidade na medida certa. Mas, para isso, é sempre importante que você avalie as taxas de gestão e administração e a rentabilidade desses fundos, porque nada adianta você ter boa rentabilidade, mas pagar uma fortuna de taxa.

Na Warren, o portfólio de renda fixa conta com um mix de títulos públicos e créditos privados, o que garante segurança e boa rentabilidade, com uma taxa zero pelos produtos.

Ações

Para os moderados e arrojados, as ações podem compor o portfólio de investimento com a função de dar aquele “boom” nos resultados. Mas um aviso bem importante: se você optar por investir na sua aposentadoria com alocação em ações, você precisa resistir ao ímpeto natural de querer resgatar em caso de maus momentos. Como o objetivo é de longo prazo, possíveis quedas na bolsa podem ser suavizadas no decorrer do tempo. Portanto, fique firme para assegurar melhores resultados!

Previdência Privada

Os fundos de previdência privada são compostos por produtos de renda fixa e variável, mas possuem características especiais, como benefícios fiscais, dois tipos de tributação, além de outros aspectos que podem auxiliar em momentos mais difíceis. Aqui é preciso ficar atento, pois existem muitos fundos de previdência privada sendo oferecidos por instituições tradicionais que possuem péssima rentabilidade e são cheias de taxas.

Com a Warren, você nem precisa ficar analisando e escolhendo quais os produtos são mais rentáveis para investir na sua aposentadoria. O Warren analisa o seu perfil de investidor e sugere os produtos e a alocação ideal para que você se sinta confortável e à vontade para começar a tirar os seus dias de tranquilidade do papel.

Últimas Notícias