Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Como a Apple continua se reinventando apesar das vendas do iPhone caírem

Investing.com Brasil - 12/09/2019 - 6:47
As vendas do iPhone não são mais os geradores de receita (Imagem:Pixabay)

Por Clement Thibault/Investing.com

Anos atrás, o anúncio de uma nova geração de iPhones impactava as ações da Apple (AAPL) e deixava os fãs em um frenesi. Ontem, no lançamento anual de novos produtos da empresa, realizado a cada outono, foram apresentados três novos smartphones: o iPhone 11, o 11 Pro e o iPhone 11 Pro Max.

Apple Mensal (2006-2019)
Apple Mensal (2006-2019)

No entanto, não foi nenhuma inovação de uma linha icônica de produtos que alimentou entusiasmo ou ganhou manchetes. Em vez disso, o plano da empresa era se juntar à briga no mercado de streaming de vídeo, por meio de uma oferta que prejudicaria os concorrentes.

A Apple (AAPL) chegou a um ponto de inflexão em que as vendas do iPhone não são mais os geradores de receita robustos que eram?

Vendas do iPhone caído

Os últimos três balanços de ganhos da Apple (AAPL) contam a história. Nos últimos trimestres, as vendas do iPhone caíram. A temporada de Natal no quarto trimestre – geralmente o trimestre mais forte da Apple – teve um declínio de 15% nas vendas, de US $ 61,1 bilhões para US $ 51,9 bilhões. As vendas no trimestre seguinte caíram 17%; no último trimestre, encerrado em junho, as vendas do iPhone caíram 12%.

Obviamente, isso não precisa ser irreversível. Embora as noovidades mais recentes do iPhone sejam melhores câmeras, um chip mais rápido, um novo sistema operacional e novas cores, elas não são exatamente redesenhos inovadores. No passado, uma inovação realmente nova do iPhone estimulava as vendas.

Depois de um fraco 2016 e 2017, o lançamento do iPhone X em 3 de novembro de 2017 aumentou as vendas, que subiram 13% imediatamente após o lançamento, aumentaram 14% no trimestre subseqüente e ganharam 20% adicionais no terceiro trimestre após o lançamento. Mesmo que o ciclo de atualização de 2019 receba uma recepção moderada dos clientes, os rumores já estão circulando sobre a versão 2020.

Com base nas informações do analista da Apple (AAPL), Ming-Chi Kuo, conhecido por suas informações privilegiadas e previsões precisas sobre os próximos passos da Apple, a próxima novidade do iPhone terá um novo design e recursos 5G. E como a lealdade à marca Apple continua forte, os telefones do próximo ano poderão, de fato, impulsionar as vendas novamente.

De acordo com duas pesquisas recentes, 90% dos proprietários de iPhone esperam que seu próximo telefone seja um iPhone. Isso é superior aos 86% da Samsung ou 84% do Google (GOOGL) Pixel. Claramente, os consumidores não estão se importando com a Apple (AAPL), eles estão apenas atrasando suas atualizações.

Por enquanto, serviços e vestuários inteligentes segurando o forte

Cerca de 65% da receita da Apple (AAPL) de 2016-2018 foram provenientes das vendas do iPhone. Em 2019, o mix de vendas diversificou significativamente. Nos últimos três trimestres, as vendas do iPhone representaram apenas 55% das vendas da Apple, mas, de maneira impressionante, a Apple ainda conseguiu aumentar sua receita no terceiro trimestre.

O segmento de vestuário da empresa, que é principalmente o iWatch e o Airpods, cresceu consideravelmente nos últimos dois anos, dando à Apple (AAPL) um novo fluxo de receita para compensar as perdas do iPhone. Nos últimos três trimestres, a receita dos chamados wearables cresceu 37%, de US$ 13,1 bilhões para US$ 17,9 bilhões. Dois anos atrás, os wearables renderam US $ 9,6 bilhões.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A Apple (AAPL) obviamente tem a destreza de comercializar outros produtos para sua leal base de usuários do iPhone. O segmento de wearables cresceu de 5% da receita total da Apple em 2017 para 10% em 2018, e nos últimos três trimestres representou 16% do total de negócios da Apple.

Melhor ainda, a receita de serviços está no nível mais alto de sua história. Nos últimos nove meses, esse segmento faturou US$ 33 bilhões, o maior número de todos os tempos, 16% a mais do que no mesmo período de 2018.

E o segmento de serviços da Apple (AAPL) ainda tem muito espaço para avançar, começando com o serviço de streaming, programado para ser lançado em 1º de novembro, o que prejudicará os concorrentes com seu preço de US$ 4,99 – menor do que as ofertas concorrentes da Netflix (NFLX) e da Disney.

A Apple (AAPL) também lançou recentemente um cartão de crédito com a Goldman Sachs e anunciou a disponibilidade iminente do Apple Arcade, um serviço de assinatura de jogos de US$ 4,99, atraente para os jogadores do iPhone.

Por fim, as receitas de wearables e serviços dependerão do ecossistema do iPhone, mas uma atualização anual não é um requisito para o crescimento do próprio ecossistema. Mesmo os consumidores com iterações mais antigas do smartphone provavelmente comprarão acessórios e serviços.

Conclusão

Não há razão para a Apple (AAPL) lançar um novo iPhone a cada ano para continuar sendo uma das maiores e mais lucrativas empresas do mundo. Na verdade, a Apple parece estar otimizando sua realidade, expandindo e diversificando seus serviços para iPhone, assim como o mundo fica com fome de algo novo. O verdadeiro molho secreto da Apple se tornou seu ecossistema pegajoso, algo que a empresa continua a lucrar com inteligência ano após ano.

Última atualização por Rafael Borges - 12/09/2019 - 6:48