Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Cielo tem forte queda com possível mudança de regra de recebíveis de cartões

Investing.com Brasil - 06/09/2018 - 12:53

Por Investing.com – A decisão do Banco Central de abrir consulta pública para a flexibilização na cessão de recebíveis de cartão de crédito para pequenos e médios estabelecimentos afeta o desempenho das empresas do setor.

As ações da Cielo (CIEL3) caem 4,42% a R$ 14,06 na bolsa paulista, enquanto em Nova York, os papéis da PagSeguro recuam 1,52% a US$ 26,33. No caso do Itaú (ITUB4), dono da marca Rede, os ativos estão perto da estabilidade, avançando 0,17% a R$ 41,62.

O Credit Suisse avalia que o impacto dessa medida deve ser mais sentido pela Cielo, uma vez que está mais exposta às pequenas e médias empresas, com as receitas de pré-pagamento representando 26,7% do lucro em 2018. Apesar disso, em um cenário em que não tivesse mais pré-pagamento, a Cielo ainda poderia compensar por ter de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões de capital disponível.

O banco suíço destaca ainda a possibilidade da medida passar a permitir o pré-pagamento a todos os varejistas, mesmo que a uma taxa mais baixa que atual. No caso da PagSeguro, o CreditSuisse estima que a companhia seria menos afeta por estar mais exposta aos microempreendedores.

Pela proposta, credenciadoras de cartões, empresas como Cielo, Rede e GetNet, devem registrar em entidade que será autorizada pelo BC, as operações de cartões para que o lojista possa usá-las livremente.

“Dessa forma, o estabelecimento comercial poderá utilizar essas operações como garantia de operações de crédito, bem como ceder para entes fora do sistema financeiro, como FIDCs ou para os próprios fornecedores”, afirma o BC no comunicado.

As registradoras também serão responsáveis por constituir gravames e ônus dos recebíveis, para garantir a autenticidade e a vinculação a somente uma operação. Será feito ainda o direcionamento dos recursos dos recebíveis para as instituições que os usaram como garantia para dar crédito.

Confira as principais notícias dos jornais desta terça-feira