Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Chinesa CNPC suspende cargas de petróleo da Venezuela por sanções dos EUA

19/08/2019 - 8:55
CNPC por preocupações suspende carregamentos após sanções dos Estados Unidos (Imagem: Reuters/Nerijus Adomaitis)

A China National Petroleum Corp, uma das principais compradoras de petróleo da Venezuela, suspendeu carregamentos em agosto após as últimas sanções dos Estados Unidos contra o exportador da América do Sul, disseram à Reuters nesta segunda-feira duas fontes em Pequim com conhecimento direto do assunto.

A administração Donald Trump decidiu no início de agosto congelar todos ativos venezuelanos nos EUA, com autoridades norte-americanas retomando ameaças contra companhias que façam negócios com a Venezuela.

“A ordem executiva de Trump deu uma diretriz para as próximas medidas de sanções que serão anunciadas pelo Tesouro dos EUA… A CNPC teme que a companhia possa ser impactada por essas sanções secundárias”, disse uma fonte.

Um porta-voz da CNPC recusou-se a comentar.

Uma segunda fonte, um executivo que trabalha com a venda de petróleo venezuelano na China, disse que sua empresa foi notificada sobre a suspensão.

“Nós fomos informados de que a Chinaoil não vai carregar nenhum petróleo em agosto. Nós não sabemos o que acontecerá depois.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A Chinaoil é o braço de “trading” da CNPC que tem contratos para petróleo venezuelano, sendo uma das principais clientes de Caracas.

As duas fontes recusaram-se a ser identificadas porque não possuem autorização para falar com a imprensa.

A CNPC irá aguardar mais diretrizes do Tesouro dos EUA antes de novos movimentos em relação ao petróleo venezuelano, disse a primeira fonte.

A suspensão segue-se a recentes conversas entre os governos dos EUA e da China, incluindo um encontro entre funcionários da embaixada dos EUA em Pequim e executivos da CNPC, disse a fonte.

A Casa Branca impôs sanções à indústria petrolífera da Venezuela em janeiro em um esforço para derrubar o presidente socialista Nicolas Maduro, cuja reeleição em 2018 é vista como ilegítima em grande parte do Ocidente.

A ordem executiva Trump emitida em 5 de agosto não sancionou explicitamente empresas não-americanas que fazem negócios com a estatal venezuelana PDVSA, incluindo parceiros em operações de petróleo como a francesa Total e a norueguesa Equinor, além de clientes russos e chineses.

Mas a ordem ameaça congelar ativos nos EUA de qualquer pessoa ou empresa determinada a “ajudar materialmente” o governo venezuelano.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 19/08/2019 - 9:03