Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Caio Mesquita: Um mundo doente

Opinião - 17/08/2019 - 16:48

Por Caio Mesquita, CEO da Acta Holding

Na semana em que a bicicleta chinesa  pedalou em falso, a Argentina recaiu e o bode da recessão mundial voltou a dar as caras, a volatilidade dominou os mercados e tirou o sono de quem vinha dormindo tranquilo com os ganhos até então.

Há algo de comum em tudo isso e algumas lições para serem aprendidas.

Em comum, temos a manipulação artificial da economia e a soberba das autoridades, a imaginar que interferindo na economia se garante desenvolvimento e prosperidade duradouros.

Sobre a China, tratei do tema na  semana passada.

Na quarta-feira (14), o governo chinês anunciou que a produção industrial do país apresentou um crescimento anual de 4,8 por cento em julho (contra o mesmo mês do ano passado). Trata-se do mais lento crescimento desse indicador dos últimos 17 anos.

Apesar de nos causar inveja, a taxa anunciada propagou choques de preocupação pelo mundo, assustado com as consequências de um esfriamento econômico do gigante vermelho.

Um crescimento mais baixo põe em xeque o modelo de desenvolvimento “bombado” chinês. Mostra que, mesmo insuflada por crédito farto, a gerigonça começa a mostrar sinais graves de deterioração.

Claramente, os chineses estão “all-in” nessa e não pouparão estímulos para manter a bicicleta girando. As apostas, porém, serão cada vez mais altas.

Na Europa e nos EUA, os sinais de uma recessão se avolumam.

O PIB da Alemanha contraiu 0,1 por cento no segundo trimestre e os números dos outros países da União Europeia não são nada animadores.

Nos Estados Unidos, a curva de juros inverteu de vez, indicador confiável de que a economia esfria. E a taxa de juros longa, de 30 anos, chegou ao seu patamar mais baixo na história, abaixo de 2 por cento.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

As respostas tradicionais para combater o esfriamento econômico vêm na forma de estímulos, tanto monetários como fiscais, mas as economias desenvolvidas vêm abusando dessas drogas há mais de década e a margem de manobra se estreita progressivamente.

Estímulos monetários passam por emissão de moeda, oferecendo liquidez que joga os juros para baixo. Num mundo onde há mais de 14 trilhões de dólares em títulos com taxas de juros negativas, não sobra muito espaço para reduzir ainda mais o custo do dinheiro.

Minha mãe dizia que para tudo se arranja uma desculpa. Não me surpreende então que já haja malabarismo lógico para justificar a naturalidade de juros nominais negativos.

Em um inusitado artigo publicado recentemente na Bloomberg, o jornalista americano Joe Weisenthal explica a existência de juros negativos. Segundo ele, o dinheiro nada mais é do que uma reserva de valor e, portanto, faz sentido pagar para alguém guardá-lo, como fazemos com joias, obras de arte e propriedades.

Ainda segundo Weisenthal, armazenar dinheiro não deixa de ser uma carga a ser suportada pelo poupador, e os depositários devem ser remunerados por prestar esse tipo de serviço.

Além do incentivo monetário, alternativas de estímulos fiscais também vêm sendo largamente utilizadas, como comprovam os colossais déficits públicos nas grandes economias mundiais.

Nos EUA, o déficit anual beira 1 trilhão de dólares, o que deixa pouco espaço para expansões adicionais.

Na realidade, os países desenvolvidos vêm bombando a bolha monetária e fiscal desde a crise do subprime e da quebra do Lehman Brothers em setembro de 2008.

Em vez de deixar a economia passar naturalmente por uma crise, contrair e se reciclar, voltando mais forte e com bases verdadeiras, alguns governos e seus banco centrais criaram um monstro artificial que agora teima em perseguir a quem o criou, tal qual a criatura de Victor Frankenstein.

Por fim, vimos a Argentina se desmontar com o resultado das eleições primárias e a quase certa volta da esquerda ao poder.

Nossos vizinhos talvez sejam a melhor prova dos malefícios da intervenção estatal na economia. O Estado de bem-estar social corrupto e populista lançado por Perón ainda segue sendo a base das relações econômicas na Argentina. Um exemplo é o absurdo número de 4 milhões de funcionários públicos no país, o equivalente a quase 10 por cento de toda a sua população.

Incrivelmente, o vento fresco da razão passou por aqui mesmo no Brasil, com a aprovação da MP da Liberdade Econômica.

Aos poucos, vai se desarmando a herança maldita do intervencionismo e do Estado grande que nos domina desde Getúlio Vargas, passando por militares, tucanos e petistas.

Somente com liberdade, trabalho, abertura e competição é que se constrói prosperidade.

Intervenções estatais são, na melhor das hipóteses, intervenções e devem ser usadas com absoluta parcimônia.

Última atualização por Gustavo Kahil - 17/08/2019 - 16:48