Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Braskem cai com Moody’s vendo risco a credores da Odebrecht após venda fracassar

Investing.com Brasil - 07/06/2019 - 12:36
braskem
Braskem, mais uma vez tem queda em ações e figuram entre as maiores perdas o ibovespa

Por Investing.com

Mais uma vez as ações da Braskem (BRKM5) figuram entre as maiores perdas do Ibovespa, recuando 1,29% a R$ 32,88 no final da manhã desta sexta-feira.

Mais cedo, a Moody’s divulgou relatório avaliando que o cancelamento da venda da participação de 38% do conglomerado na petroquímica Braskem para a europeia é LyondellBasell Industries (NYSE:LYB) eleva a chance de pedido de recuperação judicial pelo grupo brasileiro e pode afetar negativamente seus credores.

“Um cenário em que a Odebrecht pede falência seria negativo para os bancos com empréstimos para a Odebrecht e suas subsidiárias”, afirmou a agência de classificação de risco em relatório assinado pelo analista sênior Alexandre Albuquerque.

Ele escreveu que a rescisão do negócio aumenta a probabilidade de que a Odebrecht ajude a pedir recuperação judicial, já que a venda da participação da Braskem teria permitido a Odebrecht transferir parte dos recursos da venda para suas subsidiárias.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Entre os bancos potencialmente afetados estão as maiores instituições financeiras do país, destacou o analista, citando Banco do Brasil (BBAS3), Caixa Econômica Federal, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bradesco (BBDC4), Itaú Unibanco (ITUB4) e Santander Brasil (SANB11).

De acordo com a análise da Moody’s, o processo de falência pode interromper ou desacelerar a geração de receita e, portanto, prejudicar a capacidade da Odebrecht de pagar seus empréstimos em aberto. “Os bancos podem criar provisões adicionais e reportar um aumento nos ativos inadimplentes.”

Aumenta a chance de calote

A situação afeta diretamente os bônus da construtora OEC. Atualmente, os investidores estrangeiros pagam pelo título apenas 8% do valor bruto da emissão, o que representa uma expectativa de calote de 92% sobre os US$ 2,9 bilhões emitidos por diversos anos, o menor valor já registrado historicamente.

Pouco antes do fracasso do negócio da petroquímica ser anunciado, os bônus eram comprados por investidores pro 12% do valor original, sendo que o patamar era de 15% antes do pedido de recuperação judicial da Atvos, o braço sucroenergético do grupo.

Outro ponto que reforça a tese de calote, destaca a coluna, é o fato dos papéis não pagarem mais os juros semestrais desde outubro de 2019, com a OEC entrando em negociação com donos dos títulos desde então.

Leia mais sobre: Ações, Braskem, Mercados, Odebrecht

Última atualização por Rafael Borges - 07/06/2019 - 12:38