Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Brasil repudia qualquer tentativa de desestabilizar governo do Equador

Agência Brasil - 08/10/2019 - 18:25
Segundo a nota, “os governos da Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Paraguai e Peru expressam seu repúdio à qualquer tentativa de desestabilizar os regimes democráticos legitimamente constituídos (Imagem: Pixabay)

O Ministério das Relações Exteriores divulgou na tarde desta terça-feira (8) nota de apoio ao Equador, país que passa por manifestações populares após o governo decretar a eliminação dos subsídios aos combustíveis na última semana.

Segundo a nota, “os governos da Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Paraguai e Peru expressam seu repúdio à qualquer tentativa de desestabilizar os regimes democráticos legitimamente constituídos, e expressam seu forte apoio às ações empreendidas pelo Presidente Lenin Moreno para recuperar a paz, a institucionalidade e a ordem, utilizando os instrumentos concedidos pela constituição e pela lei, assim como ele vem fazendo.”

A declaração conjunta diz ainda que os países sul-americanos signatários da nota “rejeitam qualquer ação destinada a desestabilizar nossas democracias por parte do regime de Nicolás Maduro e daqueles que buscam estender as diretrizes de seu governo nefasto aos países democráticos da região”.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O presidente equatoriano transferiu a sede do governo de Quito para Guayaquil e agradeceu o compromisso do Alto Comando Militar diante das mobilizações de protesto. Ele afirmou que o governo continuará protegendo a integridade dos cidadãos. “A violência e o caos não vão ganhar”.

O presidente equatoriano reafirmou que não retrocederá e que a eliminação dos subsídios aos combustíveis é uma decisão histórica.

Segundo o presidente, os focos de violência registrados em diferentes regiões são praticados por “indivíduos externos, pagos e organizados”.

*Com informações da agência pública de notícias do Equador (Andes)

Última atualização por Bruno Andrade - 08/10/2019 - 18:25