Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Brasil cresceria 42% mais, sem Argentina, Brumadinho, EUA e China

19/11/2019 - 13:48
Confusão em dobro: farpas entre Trump, dos EUA, e Xi Jinping, da China, corroem potencial de crescimento do Brasil (Imagem: REUTERS/Kevin Lamarque)

O Brasil cresceria 42% mais neste ano, se não fosse atrapalhado por três fatores que escapam ao controle do governo. Em sua apresentação à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, nesta terça-feira (19), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, comparou o crescimento esperado para o PIB com e sem o impacto da crise argentina, do rompimento da barragem de Brumadinho (MG) e da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Sem esses fatores, o país poderia crescer até 1,59%. É verdade que não é nenhuma maravilha, mas já seria uma ligeira aceleração, em relação à alta de 1,1% registrada no ano passado. Mas, com a pressão desses três elementos, a previsão recuou para 0,92%, conforme o último Boletim Focus do BC. Assim, a projeção deste ano é apenas 58% do que seria sem esses contratempos.

Apresentação do BC ao Senado
(Fonte: Banco Central do Brasil)

Entre os três vilões do PIB brasileiro, a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China é o principal. A desaceleração da economia global, causada sobretudo pela briga entre americanos e chineses, retirou 0,29 ponto percentual da expectativa de alta do PIB verde-amarelo.

Lamaçal

Em segundo lugar, ficou o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, em 25 de janeiro. A interrupção das atividades da mineradora, num país que vive basicamente de exportar commodities agrícolas e minerais, subtraiu mais 0,20 ponto percentual da estimativa do PIB.

Roberto Campos Neto Banco Central
Campos Neto, do BC: expectativa positiva para o país no ano que vem (Imagem: Reuters/Amanda Perobelli)

Já a crise econômica da Argentina, uma das maiores consumidoras de produtos industrializados do Brasil, reduziu a expectativa do PIB em 0,18 ponto percentual.

Apesar dos contratempos, Campos Neto afirmou, em sua apresentação aos senadores, que as condições continuam favoráveis ao crescimento do país. A estimativa do BC é de que o PIB avance 2,2% no ano que vem.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Veja a íntegra da apresentação de Campos Neto à CAE do Senado.

Última atualização por Márcio Juliboni - 19/11/2019 - 14:02