Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Bolsonaro diz que postos de combustíveis não acompanham ajustes da Petrobras

Reuters - 19/09/2019 - 21:09
Bolsonaro disse que haveria interesses escusos de países europeus em ampliar as áreas demarcadas por reservas indígenas, quilombolas e de proteção ambiental (Imagem: Andre Coelho/Bloomberg)

O presidente Jair Bolsonaro avalia que os postos de combustíveis não têm acompanhado os ajustes de preços da Petrobras (PETR3;PETR4), acrescentando que pedirá uma apuração do que acontece, com o objetivo de verificar se há algum tipo de cartel.

Segundo ele, os preços de combustíveis da Petrobras estão mais baixos do que o registrado em meados do ano passado, mesmo após os reajustes de 4,2% no diesel e de 3,5% na gasolina, anunciados na véspera, após os ataques a instalações de petróleo da Arábia Saudita, que elevaram as cotações no mercado internacional.

“O presidente da Petrobras (Roberto Castello Branco) resolveu segurar o máximo possível (o reajuste). Segurou, mas infelizmente ontem –a decisão é da Petrobras, não tem interferência nossa, a Petrobras que faz sua política de preços– aumentou em média 3% o diesel e a gasolina”, disse ele.

E o presidente continuou, em transmissão ao vivo em rede social, que acontece semanalmente.

“Agora, detalhe: o preço na refinaria hoje em dia está mais baixo do que, se não me engano, julho do ano passado, apesar desse aumento de 3%… A gente sabe que no final, na bomba, o preço não acompanha…”, disse Bolsonaro.

O presidente disse ainda que está em contato com o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, que deverá contatar Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), “para ver o que está acontecendo –cartel, seja lá o que for”.

“Isso não pode continuar acontecendo.”

O presidente comentou que na manhã de quinta-feira, antes do anúncio do ajuste da Petrobras, alguns postos teriam subido os valores em 5%, supostamente levando em conta ataques de sábado na Arábia Saudita.

“Isso, pra mim, é um abuso. A gente vai pra cima deles, tudo que estiver de acordo com a lei, puder defender o consumidor, nós faremos.”

Em outros governos, como na administração de Michel Temer, autoridades também chegaram a se queixar de cartel no setor de combustíveis.

O setor de combustíveis costuma dizer que o vilão dos preços nos postos é a alta carga tributária.

Além disso, afirma que o segmento de postos é altamente pulverizado, com cerca de 40 mil estabelecimentos, o que impediria a prática de cartel.

Veja o vídeo completo:

Última atualização por Renan Dantas - 19/09/2019 - 21:18