Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

BMG: investidores que participaram do IPO poderão vender as ações nesta quinta

11/12/2019 - 18:57
BMG
Os papéis recuam desde o começo das negociações em 24 de outubro e fecharam a R$ 8,90 (Imagem: Reprodução/linkedln)

Por Investing.com 

A sessão desta quinta-feira (12) marca o encerramento do lock-up de 45 dias nas ações do Banco BMG (BMGB4) para os investidores que alocaram entre R$ 3 mil e R$ 1 milhão durante o IPO da instituição. A “trava” foi uma opção durante a abertura de capital do banco mineiro, concedendo prioridade aos investidores nesta faixa de alocação que optasse a manter os papéis na carteira sem ter a possibilidade de negociá-las.

lock-up não foi um recurso exclusivo na abertura de capital do Banco BMG. Ele esteve presente no IPO da rede joalherias Vivara (VIVA3). O objetivo da “trava” é evitar que as ações variem logo após o início das negociações na bolsa de valores.

A estratégia do Banco BMG, porém, não impediu a queda das ações. Os papéis recuam desde o começo das negociações em 24 de outubro e fecharam a R$ 8,90, abaixo do preço inaugural de R$ 11,60, na época o piso da faixa indicativa de preço, cuja máxima era de R$ 13,40.

Além dos investidores do varejo que investiram entre R$ 3 mil e R$ 1 milhão, os investidores que alocaram entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões também tinham opção de lock-up, mas de 90 dias. Todas as demandas com lock-up foram atendidas.

IPO

Essa foi a segunda tentativa do banco mineiro de abrir seu capital na B3. Em fevereiro, o BMG informou que desistiu de ofertar as ações na bolsa, depois de ter suspendido a oferta em dezembro de 2018.

Na época, condições contrárias do mercado e a transição política com a entrada do novo governo fizeram o preço ficar abaixo da expectativa dos vendedores, que cancelaram a estratégia.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A operação do BMG movimentou 1,6 bilhão de reais, sendo 1,2 bilhão da oferta primária —recursos novos, cujo montante vai para o caixa da companhia— e 400 milhões de reais na oferta secundária. O principal acionista do BMG, Flávio Pentagna Guimarães, é o vendedor.

O IPO foi liderado pela XP Investimentos, com Itaú BBA, Credit Suisse, Brasil Plural e Banco do Brasil Investimentos como coordenadores.

Uma peculiaridade do IPO do BMG foi a opção do banco de entregar somente units para os investidores. Cada unit BMGB11 era composta por 1 ação preferencial BMGB4 e 3 recibos de subscrição. Cada recibo dava direito a receber 1 ação preferencial após a aprovação do aumento de capital pedida pelo BMG ao Banco Central, o que ocorreu em 1º novembro. As units foram negociadas até 29 de novembro na B3.

Recompra de ações

O Banco BMG informou no final da tarde de terça-feira, por meio de fato relevante, que seu conselho de administração aprovou a abertura do Programa de Recompra de Ações, que passa a valer a partir de 11 de dezembro, sendo autorizada a aquisição de até 11.994.003 ações preferenciais de emissão própria, sem valor nominal e sem redução do valor do capital social.

O total aprovado correspondente a até 10,0% das ações em circulação, e a operação será destinada para manutenção em tesouraria, cancelamento ou recolocação no mercado ou, ainda, pagamento de remuneração a executivos do banco no âmbito de planos de incentivo de longo prazo.

De acordo com a instituição, as operações de aquisições serão efetuadas em bolsa de valores, no período de 11 de dezembro de 2019 a 08 de dezembro de 2020, a valor de mercado e intermediadas pela intermediada pela Inter Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários.

Leia mais sobre: Ações, Bancos, BMG, Investing.com, IPO, Mercados

Última atualização por Rafael Borges - 11/12/2019 - 18:57