Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

BC da Argentina enfrenta teste crucial para o peso antes das eleições

Reuters - 16/08/2019 - 12:20
Segundo analistas, banco central argentino terá papel decisivo até as eleições de outubro (Imagem: Pixabay)

O banco central da Argentina desempenhará um papel crucial na sustentação do peso antes da eleição presidencial de outubro, disseram analistas na sexta-feira, caminhando em uma linha politicamente tensa ao buscar fornecer suporte sem explodir suas reservas.

re

O peso da Argentina ficou em queda livre durante a maior parte desta semana, após um choque nas eleições primárias no domingo, quando o candidato presidencial de centro-esquerda Alberto Fernández derrotou o presidente de centro-direita Mauricio Macri por uma margem de 15 pontos percentuais. A escala da vitória de Fernández sugeriu que ele tem boas chances de ganhar a próxima votação no primeiro turno.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Depois de perder cerca de um quarto de seu valor nos três primeiros dias da semana, o peso se estabilizou desde então. Na manhã desta sexta-feira, a moeda rondava a estabilidade, a 57,15 pesos por dólar, o que deu às autoridades um pouco de folga.

O colapso do peso, que ocorre em meio a crescentes temores de uma recessão global, forçou o banco central a vender dólares e obrigou os bancos privados a reduzirem suas carteira em dólar e a fornecer liquidez ao mercado. Apesar dessas medidas, analistas disseram que o banco central estará em uma posição politicamente sensível com a chegada da eleição de outubro.

“Um elemento estratégico para o governo e a oposição é como as reservas atuais do banco central são usadas”, disse a consultoria Fundación Mediterranea.

“A oposição não quer que a atual administração deixe o banco central com poucas reservas, e é conveniente para o governo que as propostas anunciadas pela oposição sejam razoáveis para os mercados.”

O banco central tem cerca de 66 bilhões de dólares em reservas, dos quais cerca de 20 bilhões são recursos livres que podem ser usados para pagar dívidas e estabilizar o peso, segundo um funcionário do governo argentino. Desde a votação de domingo, o banco central leiloou um total de 503 milhões de dólares.

Última atualização por Lucas Simões - 16/08/2019 - 12:20