Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Bancos buscam amenizar impacto do aumento da alíquota da CSLL, diz Folha

Investing.com Brasil - 25/06/2019 - 14:05
Na tarde desta terça-feira, as ações do Banco do Brasil têm alta de 0,45% a R$ 53,28  (Imagem: Money Times)

 Por Investing.com 

A votação do relatório da reforma da Previdência interessa diretamente aos bancos. Principalmente por conta de uma possível elevação da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para o setor. Agora, interlocutores negociam com o relator do texto, Samuel Moreira (PSDB-SP) para diminuir o impacto sobre as instituições. As informações são da edição desta terça-feira do jornal Folha de S. Paulo.

Na tarde desta terça-feira, as ações do Banco do Brasil (BBAS3) têm alta de 0,45% a R$ 53,28, enquanto as do Bradesco (BBDC4) caem 0,97% a R$ 33,52 e as do Itaú (ITUB4) recuam 0,19% a R$ 36,03. Já o Santander (SANB11) tem perdas de 0,11% a R$ 45,84.

Credit Suisse vê juro de 5,75% no fim do ano; Itaú espera 5%

No texto apresentado, Moreira sugeriu a elevação da CSLL como alternativa para o reduzir o rombo com pagamento de aposentadorias e pensões. Agora, a equipe econômica e o deputado estão discutindo com representantes do setor financeiro alternativas para a medidas.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A possibilidade levantada eleva de 15% para 20% a CSLL dos bancos com a aprovação da reforma da Previdência. Agora, a ideia é que a cada ano, a taxa cairia 0,5 ponto percentual, fazendo com que, em 10 anos, o patamar retornasse aos 15%.

Outro ponto, diz o jornal, seria que a taxa só seria cobrada das grandes instituições financeiras, com faturamento anual que superem o patamar de R$ 1 bilhão, o que pouparia as cooperativas de créditos, fintechs e bancos de menor porte.

A proposta que está sendo discutida também pouparia a B3 da alta da alíquota da CSLL, que atualmente paga 9% e não 15% como os bancos. A redação de Moreira elevaria a contribuição da bolsa para 20%.

No relatório do deputado, da forma que está, a receita extra seria de R$ 50 bilhões em dez anos para a Previdência, o que representa menos de 5% do total previsto da economia que a reforma vai gerar no mesmo período.

Última atualização por Rafael Borges - 25/06/2019 - 14:05