Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Balanços do 3º tri devem trazer lucros maiores, mas contidos pela incerteza política, vê corretora

Arena do Pavini - 23/10/2018 - 17:57

Por Arena do Pavini – As empresas abertas brasileiras devem apresentar lucros maiores no terceiro trimestre deste ano em relação ao ano passado, mantendo a tendência dos trimestres anteriores, mas abaixo do potencial, por conta do efeito da incerteza política na atividade econômica. A avaliação é da corretora XP Investimentos, que espera que a tendência de crescimento dos lucros se acelere nos próximos trimestres com a melhora gradual das expectativas com o desempenho da economia após o fim do processo eleitoral.

Além disso, a depreciação do real continuou a contribuir positivamente para os resultados de empresas ligadas a commodities e exportações, como Vale, Suzano, siderúrgicas e frigoríficos. Mas esse impacto da desvalorização do real deve ser revertido em parte no quarto trimestre com o movimento de queda do dólar após a definição da eleição presidencial.

A corretora fez uma lista das empresas que devem se destacar positivamente e negativamente no terceiro trimestre.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Impactos positivos

Entre os destaques positivos estão a varejista eletrônica B2W, do grupo das Lojas Americanas, com crescimento das vendas online esperado de 27% e do marketplace em 79%, menor prejuízo e consumo de caixa. Para o Bradesco, a corretora estima um lucro líquido de R$ 5,7 bilhões, 9,7% superior ao do segundo trimestre e um retorno sobre o patrimônio líquido de 19,5%, ante 18,3% no trimestre anterior, sustentado pelo crescimento da carteira de Pessoas Físicas, de 7,6% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Para a Gerdau, a XP estima um crescimento do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Lajida ou Ebitda de 12% sobre o segundo trimestre, para R$ 2 bilhões, sustentado pelo mercado americano, que tem uma margem de 10%.

No setor de papel e celulose, o destaque positivo é Suzano Papel, com um Ebitda estimado em R$ 2 bilhões, e Klabin, com Ebitda de 1,2 bilhão. Os volumes de produção devem surpreender positivamente, com custos menores e um resultado impulsionado pela depreciação do real.

No varejo, Magazine Luiza deve continuar apresentando fortes resultados, com vendas nas mesmas lojas crescendo  16,5% e vendas online maiores em 55% sobre o ano passado.

Petrobras pode apresentar um Ebitda de R$ 35,7 bilhões, 15,1% maior que no segundo trimestre, refletindo preços de petróleo 2% maiores, depreciação do real de 10% e maiores margens de refino com os reajustes de gasolina e diesel do trimestre.

Destaques negativos

Já os destaques negativos do terceiro trimestre devem começar com Ambev, uma vez que o volume de cerveja deve apresentar queda no Brasil. A XP espera uma margem Ebitda consolidada em 40,8%, comparada a 40,1% no mesmo trimestre de 2017.

Ultrapar ainda terá seu resultado pressionado por margens menores na rede de postos Ipiranga, balanceado parcialmente por fortes volumes de diesel. “Ressaltamos que nossa visão da ação continua positiva em um horizonte de longo prazo apesar das dificuldades de curto prazo”, diz a XP.

Nas companhias aéreas Gol e Azul, as margens do terceiro trimestre deverão ser pressionadas por um real depreciado, com o dólar a  R$ 3,94  e um custo de combustível mais alto. A XP espera margens operacionais de 5,4% e 6,7% para Gol e Azul respectivamente.

Via Varejo Unit (recibo de ações) deve vir com um resultado fraco. Apesar de crescimento vendas online de 13% e venda mesmas lojas de 5,4%, as margens devem ser prejudicadas pela dificuldade na implementação do novo sistema de vendas.

Outros destaques

A XP destaca ainda BRF, que deve apresentar resultados melhores sequencialmente, com Ebitda em R$ 597 milhões. Mas o foco do mercado continuará na evolução do plano de reestruturação.

No caso do Banco do Brasil, a corretora estima um lucro líquido de R$ 3,5 bilhões, com crescimento de 9,4% sobre o segundo trimestre e um retorno sobre o patrimônio de 13,5%, ante 12,6% no segundo trimestre, sustentado pelo crescimento de 5% da margem financeira bruta no trimestre.

A locadora de automóveis Localiza deve apresentar crescimento forte, mas  parcialmente impactado por despesas com juros maiores. A XP estima um Ebitda de R$ 380 milhões, 14% superior ao do ano anterior, e um lucro líquido de R$ 164 milhões, 17% maior.

Para a Vale, a XP espera um Ebitda de US$ 4,2 bilhões no terceiro trimestre, 8% maior que no segundo, sustentado por sólidos volumes, prêmios e custo caixa.

Última atualização por Diana Cheng - 23/10/2018 - 17:57