Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Até quando Bolsonaro poderá ser “mito”?

Gustavo Kahil - 12/11/2018 - 18:33

Até quando o presidente eleito Jair Bolsonaro poderá continuar “sendo Bolsonaro”? A retórica de sua corrida eleitoral, contra o petista Fernando Haddad, já começa a causar efeitos reais ao País. Talvez, a declaração que mais se encaixe nesta avaliação, está a ideia de transferência da Embaixada do Brasil em Israel, que fica em Tel Aviv, para Jerusalém. Com isso, o governo do Egito cancelou compromisso com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, poucos dias antes dele desembarcar no Cairo para visita oficial.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Mas, como como agirá o Governo Bolsonaro no caso da necessidade de aprovar medidas impopulares ou que sejam contrárias à preferência ideológica de boa parte dos deputados? Este foi o questionamento feito pela consultoria política Pulso Público em uma extensa análise sobre os desafios do novo presidente.

“Se jogar com sua popularidade e com a expectativa de bônus eleitoral para convencer os aliados, Bolsonaro adotará uma estratégia de altíssimo risco e ficará à mercê da fortuna [sorte], visto que seu governo não estará calcado nos fundamentos do presidencialismo de coalizão. Há evidências sólidas de que o comportamento dos parlamentares é fortemente orientado pelos partidos, em detrimento até de outras questões como bancadas temáticas e bancadas estaduais, especialmente em função dos poderes concedidos aos líderes partidários”, destaca a Pulso.

Diga-me com quem tu andas…

O Índice de Necessidade de Coalizão (INC), que representa uma medida que associa a força do partido do presidente no Legislativo à fragmentação partidária, mostra que Bolsonaro tem um belo trabalho à sua frente.

Quanto mais frágil é o poder partidário do presidente e quanto mais fragmentado é o Legislativo, maior o INC.

Ao observar este gráfico, a Pulso ressalta que parece razoável, portanto, afirmar que um governo formado por uma Coalizão minoritária terá sérias dificuldades na próxima legislatura. “Para que um governo sobreviva, contudo, não é necessário que ele seja formado por uma maioria legislativa, mas sim que a maioria – ao menos – o tolere”, pondera a análise.

Conservadorismo

Bolsonaro viverá na sua presidência uma dependência de uma agenda de políticas públicas conservadora, o que fragiliza a perspectiva de sucesso da política econômica de cunho liberal esperada pelo mercado, ou qualquer outra medida que entre em choque com as perspectivas eleitorais de seus apoiadores.

“Se a sorte lhe sorrir, será capaz de contestar todo o arcabouço teórico e empírico do presidencialismo de coalizão. Contudo, os últimos a tentar algo parecido bateram no muro do impeachment e/ou lançaram mão de incentivos ilegais para incentivar os parceiros de coalizão”, afirma a consultoria.

Ou seja, Bolsonaro irá provavelmente estar nesta encruzilhada e com poucas alternativas a não ser a de recorrer a expedientes heterodoxos do ponto de vista político, “tais como práticas extremamente populistas ou que possam até mesmo vir a testar os limites do Estado Democrático de Direito”, conclui a Pulso Público.

Última atualização por Gustavo Kahil - 13/11/2018 - 12:07