Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

As 5 principais notícias do mercado internacional desta terça-feira

Investing.com Brasil - 11/06/2019 - 7:56
Veja as cinco notícias que rondam o mercado

 Por  Investing.com 

Confira as cinco principais notícias desta terça-feira, 11 de junho, sobre os mercados financeiros:

1. China oferece estímulo em meio a promessas de ‘resolução firme’ contra os EUA

Enquanto a China se esforça para abrandar o impacto negativo das tensões comerciais, Pequim anunciou que permitirá que os governos locais usem os recursos de títulos especiais como capital para grandes projetos de investimento, em uma tentativa de deter a desaceleração da economia.

Enquanto os investidores respiravam aliviados, com os EUA optou por não prosseguir com os aumentos tarifários sobre México esta semana, o status de sua disputa com a China foi pouco modificado.

O Ministério das Relações Exteriores chinês disse na terça-feira que Pequim “responderia e lutaria resolutamente até o fim” se os EUA insistir na escalada dos atritos comerciais.

A resposta veio depois do presidente Donald Trump dizer que outras tarifas serão impostas se nenhum acordo for alcançado na cúpula do G20 em junho.

2. Espera-se que o Fed corte as taxas em julho antes dos dados de inflação

Com o Federal Reserve em um período de blecaute antes da decisão política da próxima semana, os mercados estão “convencidos” de que o o banco central precisará cortar as taxas na reunião seguinte, em julho.

As contínuas as tensões comerciais sino-americanas e uma série de dados macroeconômicos fracos pressionaram firmemente as apostas para o abrandamento e, embora as expectativas sejam de que não haja movimento em junho, os futuros de fundos do Fed agora colocam a probabilidade de um corte de julho em quase 80%.

Com o Federal Reserve em um período de blecaute antes da decisão política da próxima semana, os mercados estão “convencidos” de que o o banco central precisará cortar as taxas na reunião seguinte

Após a fraca criação de emprego e o baixa da inflação salarial divulgada na última sexta-feira dando apoio às expectativas dovish, os formuladores de políticas receberão as últimas leituras sobre a inflação.

As leituras anuais do índice de preços ao produtor, que serão divulgadas às 9h30 de terça-feira, também devem ter diminuído em maio, aumentando o cenário de inflação moderada. O PPI é um indicador importante porque reflete os aumentos de preços que serão geralmente de fabricação são repassados ​​aos consumidores.

O índice de preços ao consumidor em si será divulgado na quarta-feira, com previsões econômicas apontando para uma desaceleração na inflação principalmente enquanto a leitura do núcleo é projetada para se manter estável em 2.1 %.

3. Bolsas de todo o mundo recebem impulso do incentivo chinês

As bolsas globais subiram nesta terça-feira, à medida que sinais de estímulo econômico na China aumentaram o apetite ao risco, já apoiado pela suspensão das tarifas sobre o México, e as expectativas firmes de que o Fed irá iniciar uma flexibilização da política em julho.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O mercado futuro dos EUA aponta para abertura com um sentimento de alta na pista para garantir a S&P 500 uma sexta sessão consecutiva de ganhos. Os futuros do Dow sobe 107,0  pontos, ou 0,42%  os futuros do S&P 500  avança 13,13 pontos, ou 0,45%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 segue com 49,88 pontos, ou 0,66%.

Enquanto isso,o fechamento positivo de Wall Street e o movimento de Pequim para facilitar o financiamento mandaram as ações chinesas para o alto, com o Shanghai Composite chegando a 2,6%.

Ações europeias compartilharam o impulso ascendente. O DAX da Alemanha liderou a investida, saltando mais de 1% em um jogo de recuperação, com os investidores retornando às suas mesas após um feriado.

4. Amazon supera Google e Apple como marca mais valiosa

A Amazon.com (NASDAQ:AMZN) conseguiu ultrapassar o Google (NASDAQ:GOOGL) e a Apple (NASDAQ:AAPL) como a marca mais valiosa do mundo com um preço de US $ 315,5 bilhões, de acordo com um ranking global divulgado na terça-feira.

O ranking das 100 Marcas Globais Mais Valiosas 2010 da BrandZTM, compilado pela agência de pesquisa Kantar, explicou que a mudança se deve às “aquisições inteligentes da Amazon, que levaram a novas fontes de receita, excelente prestação de serviços ao cliente e capacidade de se manter à frente de seus concorrentes, oferecendo um ecossistema diversificado de produtos e serviços ”.

A Amazon.com conseguiu ultrapassar o Google e a Apple como a marca mais valiosa do mundo  de acordo com um ranking global divulgado na terça-feira (Imagem: Pixabay)

O relatório calcula que essas aquisições levaram a um aumento de 52% no valor da marca, levando a Amazon do terceiro lugar em 2018 para o topo do pedestal este ano.

Microsoft (NASDAQ:MSFT), Visa (NYSE:V), Facebook (NASDAQ:FB), McDonald’s (NYSE:MCD) e AT&T (NYSE:T) estavam entre as empresas americanas no top 10.

5. Pressão sobre Musk para estender o rali da Tesla

Enquanto as ações da Tesla (NASDAQ:TSLA) caíram 35% no acumulado do ano, elas passaram recentemente por uma alta de quase 15% neste mês (incluindo um salto de 4,1% na segunda-feira).

Os investidores touro têm esperanças de que o presidente-executivo Elon Musk possa dar mais otimismo às ações na reunião anual da empresa, marcada para terça-feira em Mountain View, Califórnia, às 18h30 (horário de Brasília).

Antes da reunião, o otimismo está crescendo, e as entregas devem se recuperar no segundo trimestre, depois de um e-mail vazado de Musk que indicava que a empresa superaria suas entregas recordes no 4º trimestre de 2018, quando entregou mais de 90.000 veículos.

– Reuters contribuiu com esta reportagem

Leia mais sobre: Internacional, Mercados, Wall Street

Última atualização por Bruno Andrade - 11/06/2019 - 7:56