Últimas Notícias Imóveis Carteiras recomendadas Comprar ou vender Finanças Pessoais Cripto Economia
Cotações por TradingView

Mercados

As 5 principais notícias do mercado desta quarta-feira

Investing.com Brasil - 16/05/2018 - 9:18

Investing.com – Confira as cinco principais notícias desta quarta-feira, 16 de maio, sobre os mercados financeiros:

1. Relatório trimestral da Macy’ em foco

A Macy’s (NYSE:M) é um dos últimos nomes notáveis a anunciar os resultados do primeiro trimestre fiscal da abertura do mercado dos Estados Unidos nesta quarta-feira, já que a temporada de resultados continua a se acalmar.

Espera-se que o varejista apresente lucros de US$ 0,40 por ação com receita de US$ 5,42 bilhões, de acordo com estimativas.

É possível que investidores fiquem particularmente interessados em saber como o inverno ruim em grande parte dos EUA nos primeiros três meses do ano afetou as vendas comparáveis.

Agentes do mercado também irão acompanhar de perto os comentários da Macy’s em relação ao seu portfólio de imóveis.

As ações da Macy’s estavam em baixa de 0,5% antes do pregão. Tiveram alta de 13,1% nos últimos três meses e subiram 18,8% no acumulado do ano.

Outros destaques esperados hoje incluem Take-Two Interactive (NASDAQ:TTWO), Cisco (NASDAQ:CSCO) e Jack In The Box (NASDAQ:JACK).

2. Dados sobre dos EUA e discursos de membros do Fed em pauta

Agentes do mercado se concentrarão no setor imobiliário dos EUA para aferir a força da maior economia do mundo e como isso impactaria na perspectiva de política monetária do Fed.

Espera-se que o Departamento de Comércio do país divulgue às 09h30 informe que as licenças de construção tiveram redução 2,3% a partir do mês anterior e totalizaram 1,347 milhão de unidades, ao passo que a previsão de construção de casas novas é de queda de 0,7%, totalizando 1,310 milhão de unidades.

O calendário de quarta-feira também traz os dados sobre a produção industrial às 10h15.

Com relação ao banco central, um discurso de Raphael Bostic, presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta, às 09h30, também deve chamar a atenção, já que os investidores buscam uma visão do pensamento do Fed sobre política monetária.

James Bullard, do Fed de Nova York, completa o dia com um discurso às 19h30.

Os dados de abril sobre vendas no varejo, divulgados na terça-feira, atingiram amplamente as expectativas, ao passo os resultados dos meses anteriores foram revistos, indicando que os gastos dos consumidores americanos provavelmente se recuperarão no segundo trimestre após um começo tímido.

3. Dólar se fixa próximo à máxima de cinco meses e título com vencimento em dez anos rende 3,06%

O dólar norte-americano se mantinha firme próximo à máxima de cinco meses atingida no dia anterior, já que os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA permaneciam perto dos seus recentes picos.

índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, estava em 93,25, ligeira alta no dia. Na última terça-feira, chegou a 93,35, nível mais alto desde meados de dezembro.

Enquanto isso, o título do Tesouro dos EUA com vencimento em dez anos rendia 3,06% no início das negociações do dia após ter chegado, na sessão anterior, a 3,095%, pico de sete anos.

O rendimento do título com vencimento em dois anos, sensível ao Fed, permanecia em 2,58%, não muito distante do nível mais alto desde agosto de 2008.

O aumento recente dos rendimentos dos títulos ocorreu devido a perspectivas de fortalecimento da inflação e expectativas de uma abordagem mais agressiva do Federal Reserve neste ano.

Os investidores já precificaram totalmente o aumento dos juros na próxima reunião de política monetária do Fed, em 12 e 13 de junho. No entanto, Wall Street está dividida a respeito de quantas vezes mais o banco central aumentará as taxas de juros depois disso, com alguns esperando mais dois aumentos, ao passo que outros projetam mais três.

4. Futuros da Dow indicam início tranquilo

O mercado futuro dos EUA estava pouco alterado, indicando que o Dow poderia ter dificuldades para se recuperar de sua queda de 200 pontos na terça-feira.

O índice blue chip futuros do Dow perdia 22 pontos, ou cerca de 0,1%, os futuros do S&P 500 recuavam 2 pontos, ou quase 0,1%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 tinha queda de 5 pontos, ou cerca de 0,1%.

As bolsas dos EUA tiveram queda acentuadamente na terça-feira, com o Dow registrando sua primeira perda em oito sessões depois que a Home Depot(NYSE:HD) divulgou vendas trimestrais que ficaram aquém das expectativas de Wall Street e as taxas de juros chegaram a novas máximas.

Na Europa, as mais importantes bolsas do continente estavam em baixa nas negociações durante a metade da manhã, já que investidores continuavam a se concentrar na política da Itália.

Mais cedo, na Ásia, os mercados da região fecharam em território negativo, já que a geopolítica retornava à linha de frente após Pyongyang cancelar abruptamente as negociações com Seul, gerando dúvidas sobre a reunião entre EUA e Coreia do Norte.

5. Petróleo cai antes de relatório dos estoques

A Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês), divulgará seu relatório semanal oficial dos estoques de petróleo referente à semana encerrada em 11 de maio às 11h30 em meio a expectativas de redução em torno de 763.000 barris.

Analistas também preveem uma redução de 1,4 milhão de barris nos estoques de gasolina, ao passo que os estoques de destilados deverão ter redução de 2,1 milhões de barris.

Após os mercados fecharem na terça-feira, o Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) afirmou que os estoques de petróleo dos EUA tiveram aumento de quase 4,9 milhões de barris na semana passada.

Contratos futuros do petróleo West Texas Intermediate (WTI), negociados em Nova York, recuavam US$ 0,25 para US$ 71,05 o barril, ao passo que contratos futuros de petróleo Brent tinham perdas de US$ 0,37 e o barril era negociado a US$ 78,06.

Apesar das quedas, as duas referências se mantinham perto dos picos de novembro de 2014 de US$ 71,92 e US$ 79,47 por barril, respectivamente, que foram atingidos no dia anterior em meio a preocupações de que as sanções dos EUA ao Irã possam restringir as exportações de um grande produtor.

Por Investing.com

Leia mais sobre: Mercados

Últimas Notícias